Câmara da Guarda assegura acesso a medicamentos e bens alimentares e alarga prazo pagamento da água

SONY DSC

A Câmara Municipal da Guarda anunciou hoje que vai assegurar o acesso a medicamentos e a bens alimentares a cidadãos vulneráveis do concelho, devido à Covid-19.
“Atentas as excecionais medidas de contingência que têm vindo a ser aplicadas nos últimos dias para combater a pandemia do Covid-19, a Câmara Municipal da Guarda vai assegurar o acesso de todos os cidadãos pertencentes a grupos vulneráveis e sem apoio familiar (doentes crónicos, pessoas isoladas ou com problemas de saúde/mobilidade) a medicamentos e a bens alimentares”, refere a autarquia num comunicado enviado à comunicação social.
O município presidido por Carlos Chaves Monteiro indica que também garante “o acesso a transportes desses mesmos cidadãos, desde que a necessidade assim o justifique”.
Na mesma nota, a autarquia indica ainda que alargou o prazo para que os habitantes possam proceder ao pagamento da fatura da água, saneamento e resíduos sólidos.
“Dada a situação epidémica provocada pelo Covid-19 e tendo em conta a perigosidade de contaminação com as saídas à rua dos cidadãos e o perigo de contágio com o manuseamento de terminais de pagamento automático, os consumidores de água e utentes de saneamento e resíduos sólidos do concelho da Guarda vão ter um prazo mais alargado para o pagamento das suas faturas”, lê-se.
Segundo a autarquia, em relação às faturas emitidas, “cuja data de pagamento deveria ocorrer até 24 de março”, o prazo “será alargado até ao dia 31 de maio do presente ano”.
“Também as faturas a emitir durante o período de contingência, passam a ter um prazo de pagamento de 90 dias, conforme constará na respetiva fatura”, conclui.
O grupo municipal do BE da Guarda defendeu hoje, em comunicado, que o município deve “isentar todos os agregados familiares e respetivas empresas do concelho de qualquer pagamento do consumo de água, saneamento e resíduos”, durante o período em que a pandemia da Covid-19 estiver ativa.
“Temos consciência que tal medida terá impacto nas contas da autarquia. Contudo, entendemos que situações de exceção merecem, sem dúvida, medidas de exceção”, justifica o BE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close