Câmara da Guarda celebra protocolo com associação D’Orfeu para dinamizar espaços culturais do concelho

O executivo aprovou esta Terça-feira a celebração de um protocolo de acolhimento com a associação cultural D’Orfeu com vista à dinamização dos espaços culturais do concelho, nomeadamente o Teatro Municipal da Guarda, Edifício Cultural de Gonçalo e Centro Cultural de Famalicão da Serra. A proposta foi apresentada pelo vereador Vitor Amaral, mas na sua ausência foi o vice-presidente, Carlos Monteiro, que na altura dirigia a reunião, respondeu às dúvidas dos vereadores do PS. Carlos Monteiro explicou que o protocolo será para quatro anos, tendo a Câmara que pagar seis mil euros por ano à associação que irá desenvolver actividades mediante um plano que será «articulado» com a autarquia. O objectivo, explicou, é «dimanizar os espaços que têm condições, mas que neste momento estão aquém do que se exige». Joaquim Carreira estranhou que a proposta seja já apresentada quando se irá iniciar apenas em 2017 e sublinhou «não ser claro» as actividades que vão ser desenvolvidas. O autarca do PS apontou ainda o facto de haver várias associações no concelho e questionou os valores envolvidos. «Não entendo. Eu não fazia este negócio», disse quando lhe foi explicado que a Câmara não teria outras despesas com as actividades. Os encargos já estão incluídos «no pacote» a protocolar no valor de seis mil euros por ano. Os vereadores acabaram por votar favoralmente a proposta, ressalvando que votarão contra se forem apresentadas propostas de despesas para as actividades desenvolvidas ao abrigo deste acordo.
No dia em que a proposta foi apresentada e votada pelo executivo, a Câmara da Guarda já figurava na lista dos municípios com protocolos publicada na página da internet da Associação. São ainda parceiros da D’Orfeu os municípios de Águeda, Albergaria a Velha, Sever do Vouga, Ovar, Estarreja, Oliveira do Bairro, Santa Maria da Feira e Penedono. A D’Orfeu descreve-se como «uma associação cultural que iniciou actividade em 1995 em Águeda com o objectivo de dinamizar actividades culturais através da música e da sua relação com todas as outras formas de expressão. Nos primeiros anos dinamizou energicamente a formação das músicas tradicionais, rurais e urbanas, apresentando inovadores olhares sobre a tradição e organizou espólio documental. Nos anos seguintes, depositou atenção na criação de variadíssimos eventos públicos como os festivais temáticos com a perspicácia constante de apresentar oferta cultural normalmente alternativa em Portugal».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close