Câmara da Guarda defende construção de barragem no concelho de Celorico da Beira

O presidente da Câmara da Guarda defendeu hoje o retomar do processo de construção de uma barragem no concelho de Celorico da Beira, para evitar descargas no rio Mondego a partir da barragem do Caldeirão.

“Nós estivemos muitos anos parados na necessária revisão do planeamento estratégico das reservas de água do nosso país. É mais que tempo para voltar a colocar em cima da mesa, 40 anos depois, a barragem da Cabeça Alta, em Celorico da Beira, para abastecimento de água àquele concelho e a parte do concelho de Fornos de Algodres”, ambos no distrito da Guarda, disse hoje o autarca Sérgio Costa.

O presidente do município da Guarda, que falava na apresentação das “Medidas de Contenção Fundamentais para a Moderação dos Consumos de Água no Concelho da Guarda”, disse que a construção da referida barragem evitaria “a necessidade das descargas no rio Mondego a partir da barragem do Caldeirão [que abastece a cidade e o concelho], para enchimento dos açudes que abastecem aquelas populações, tal como teve de acontecer há poucas semanas, o que levou a que a barragem do Caldeirão entrasse na fase crítica”.

“Há muitos técnicos da área, e não só, que defendem que esta barragem já devia estar construída há muitos anos, e é tempo de retomarmos esta necessidade. A barragem não é no concelho da Guarda, é no concelho de Celorico da Beira mas, de uma forma indireta, afeta os recursos hídricos do concelho da Guarda e a forma como se faz o abastecimento [de água] no concelho da Guarda, em Celorico da Beira e em parte do concelho de Fornos de Algodres”, justificou.

Sérgio Costa também disse que as reservas de água na serra da Estrela, “estando a diminuir com uma velocidade avassaladora”, obrigam a “revisitar sem tabus e sem dogmas, o sistema de armazenamento da serra e a aumentar a sua capacidade”.

“As reservas de água na serra da Estrela estão a baixar drasticamente e depois dos investimentos que foram feitos há muitos anos (…) vão ter que ser revisitados esses investimentos e outros que, eventualmente, possam ser feitos no país”, disse.

Por outro lado, o responsável disse que é fundamental caminhar para a “boa gestão” dos vários sistemas de regadio, dando como “mau exemplo” a gestão do regadio da Cova da Beira (a partir da barragem do Sabugal) e o da barragem de Bouçacova (Pinhel).

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close