Câmara da Guarda desiste de colocar cobertura na Rua do Comércio e prepara intervenção «minimalista»

A Câmara da Guarda decidiu revogar a decisão de adjudicar a uma empresa de Bragança a intervenção que previa a colocação de uma cobertura na Rua do Comércio. A decisão, recorde-se, já tinha sido adiantada ao TB pelo presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro, na entrevista concedida em Novembro. Foi formalizada esta Segunda-feira na reunião do executivo, durante a qual foi também decidido lançar um novo concurso para uma intervenção «mais minimalista», como explicou o vice-presidente, Carlos Monteiro, aos jornalistas. Serão obras «à superfície» no valor de 158 mil euros, nomeadamente ao nível do pavimento, floreiras e iluminação.
O autarca contou que a empresa vencedora do concurso, a Bricantel, colocou «dúvidas e incertezas» quanto à exequibilidade do projecto e foi decidido não dar seguimento até tendo em conta o tempo que resta até ao final do mandato. De acordo com o relatório apresentado ao executivo a empresa colocou questões que não estavam bem explícitas no projecto nomeadamente ao nível do comportamento da estrutura, da drenagem, das fundações e mecanismos de estabilidade bem como da segurança dos pilares.
O vice-presidente sublinhou que tratando-se de uma rua «estruturante» e a aposta «em levar alguma dinamização ao centro da cidade» decidiu-se «abrir de imediato» um novo concurso para uma intervenção «com uma dimensão diferente» mas que «não colide com aquilo que no futuro possa vir a ser a reabilitação» daquela artéria. «Achamos que deve ser intervencionada. Vai trazer algum valor acrescentado àquela rua», sustentou o autarca.
A vereadora do PS, Graça Cabral, tem outro entendimento e considera que é uma intervenção injustificada e que «não serão as obras previstas que darão uma nova dinâmica aquela rua». «É um simples lavar a cara. Não justifica o valor investido», disse Graça Cabral, justificando a abstenção na hora da votação.
Estava previsto que a Rua do Comércio ficasse parcialmente coberta por uma estrutura de policarbonato compacto (transparente), que teria iluminação com cambiantes. A intenção da autarquia era tornar a rua «mais atraente para os peões», mas não ficando afastada a possibilidade de ser atravessada pelo trânsito.
Recorde-se que presidente da Câmara já tinha adiantado ao TB que a autarquia ia desistir da intervenção inicialmente prevista devido a «dificuldades da própria empresa face à execução daquele projecto» que o autarca consideradava «muito reformista». Nessa altura, o autarca explicava que ia «haver uma grande remodelação em relação ao que esteve previsto» e que iria haver «algum embelezamento da Rua do Comércio deixando para mais tarde para se fazer algo mais profundo e de debate entre nós ou entre a sociedade».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close