Câmara da Guarda pede intervenção do Presidente da República para colocação de médicos

O presidente da Câmara da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, solicitou a intervenção «urgente» do Presidente da República no sentido de se reforçar a aposta na Saúde, na região, após a colocação de apenas sete novos médicos na Unidade Local de Saúde (ULS). «Como presidente da Câmara Municipal da Guarda e perante a perpetração do interesse público que esta cidade tem sido constantemente alvo por parte do Governo, venho, mui humilde mas assertivamente, solicitar a urgente intervenção de Vossa Excelência e o exercício da magistratura presidencial neste que é um assunto de grave emergência para a República», aponta Carlos Chaves Monteiro, na missiva enviada a Marcelo Rebelo de Sousa.

No documento, o autarca salienta que está em causa não só o regular funcionamento das instituições, como o Princípio da Igualdade e o Direito à Saúde, consagrado na Constituição da República Portuguesa. Carlos Chaves Monteiro explica que a posição surge na sequência do aviso com a abertura de vagas na Saúde, que foi publicado a 01 de Julho, e que só destina sete médicos para a Guarda, num total de 1.073 vagas abertas no país.

Classificando a situação como uma «flagrante desconsideração do Governo à Guarda» e uma «tentativa de aniquilação dos já deficitários serviços de saúde existentes na capital de distrito», o autarca fala em «diferenciação e discriminação» negativas e aponta críticas a diferentes entidades e responsáveis, designadamente à ULS da Guarda.

«Esta ofensiva à Guarda e aos guardenses é também perpetrada e acentuada pela negligência e pela actuação do conselho de administração da ULS da Guarda e pela ineptidão de uma Secretaria de Estado aqui sediada, que, por ironia, tutela a Segurança Social e está na dependência de uma ministra com a pasta do Emprego», afirma.

Vincando que nas unidades de saúde da região Centro foram abertas várias vagas em diferentes áreas, Carlos Chaves Monteiro vinca que para a Guarda nem sequer foi aberta nenhuma vaga para os serviços de Radiologia, Oftalmologia, Cardiologia, Cirurgia ou Pediatria e Obstetrícia, apesar de para este último se ter vindo a anunciar obra física.

«A situação é de tal modo grave que só poderemos considerar que se trata de um ataque directo e propositado do Governo e da senhora ministra da Saúde à Guarda», sustenta.

Depois de frisar as falhas existentes nos serviços, reitera que o Governo pretende colmatar essas falhas com «uma única vaga para pneumologia, uma para saúde pública, uma para ortopedia, uma para otorrinolaringologia e apenas três para medicina interna. «Será que o Governo tem em linha de conta o número de pessoas que aguardam por uma consulta com um médico de família e aquelas que não têm sequer médico atribuído no território de abrangência da ULS?», questiona.

Carlos Chaves Monteiro aponta ainda a «discriminação» no que concerne às vagas para zonas geográficas carenciadas e mostra preocupação e deixa dúvidas quanto ao recente anúncio da ULS da Guarda de que irá contratar mais 15 médicos, ao abrigo do decreto-lei de Execução Orçamental. O autarca fecha a carta reiterando o apelo para que Marcelo Rebelo de Sousa «se digne a intervir junto do Governo e que possa instá-lo a reverter» a situação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close