Câmara da Guarda promete requalificação do Chafariz da Dorna até ao final do ano

Os 20 mil euros previstos no orça-mento participativo da Câmara Municipal da Guarda vão ser apli-cados na requalificação do Chafariz da Dorna por escolha dos munícipes. Classi-ficado como imóvel de interesse público, o Chafariz tem estado votado ao abandono. A sua requalificação já foi considerada «priori-tária» pela autarquia, já fez parte de um projecto privado e já esteve incluída no Programa Estratégico da extinta Comuni-dade Intermunicipal das Beiras.

A maioria dos munícipes que participaram na votação do orçamento participativo da Câmara da Guarda entendem que os 20 mil euros disponíveis devem ser gastos na requalificação do Chafariz da Dorna. A escolha foi feita entre três projectos, restando ainda a requalificação da capela do Solar dos Póvoas e a criação de um espaço jovem no Parque Municipal. O presidente da Câmara, Álvaro Amaro, disse que a obra será incluída na requalificação daquela zona da cidade para onde está prevista a construção de uma rotunda entre as avenidas Afonso Costa e Francisco Sá Carneiro. O autarca não divulgou pormenores da requalificação do Chafariz, dizendo apenas que terá de estar concluída até ao final do ano.
O Chafariz da Dorna, classificado como imóvel de interesse público, está escondido nas traseiras de uma estação de serviço. Quem não conhecer a cidade e passar pela Avenida Sá Carneiro não se apercebe da presença daquela construção em granito, encimado por um brasão real joanino de feição neo-gótica. É preciso descer à cota inferior da estrada pelo que resto da calçada romana ou seguir as placas das rotas pedestres para dar conta do local. Nos últimos anos, o local tornou-se mais visível aos guardenses, pelo menos para aqueles que residem nas habitações recentemente construídas naquela zona e que utilizam o espaço como passagem.
Nos últimos anos falou-se algumas vezes na possibilidade do espaço ser requalificado, mas as ideias não passaram de meras intenções. A intervenção chegou a ser considerada «prioritária» pela autarquia,fez parte de um projecto privado e chegou a ser incluída no Plano de Desenvolvimento Estra-tégico da Comunidade Urbana das Beiras. Nada avançou.

  • Privados quiseram intervir
    O Chafariz está classificado como monumento de interesse público desde 1978. O local onde se encontra foi originalmente uma entrada para a cidade. Por ali se fazia a entrada dos camponeses para o mercado. Tanto como vereadora como presidente da Câmara, Maria do Carmo Borges afirmou várias vezes que era uma «prioridade» para a autarquia, até porque a Câmara «estava virada para os valores arquitectónicos e de certeza absoluta seria uma das partes contempladas». Mas a estratégia mudou e em 2007 é colocada a hipótese do imóvel ser requalificado por privados integrado num projecto de loteamento. O projecto elaborado por dois arquitectos, um historiador e um restaurador ainda deu entrada na Câmara, mas viria a ser recusado. Como noticiou na altura o TB, o projecto oferecido pelos promotores previa a reposição de água com um sistema de bombagem, uma intervenção no edifício dos lavadouros públicos e o arranjo do largo. Quelhas Gaspar, autor do projecto e técnico de património, manifestou-se na altura «frustrado» com o desfecho. Para os promotores foi ainda mais difícil compreender a posição da autarquia tendo em conta que o então IPPAR não colocou qualquer entrave. O IPPAR fez apenas alguns reparos ao nível paisagístico relacionados com as árvores que havia a plantar e com o estacionamento que era proposto. «A Câmara Municipal não terá seguramente uma oportunidade como esta para fazer a intervenção que o monumento precisa», afirmou na altura, lembrando que os entraves foram colocados pelos serviços técnicos da autarquia. A empresa que se propunha realizar a obra – a Marques & Saraiva – Construção Civil propunha que a autarquia suportasse metade dos custos estimados em 175 mil euros.
    Mais tarde, a requalificação do Chafariz viria a ser mencionada no Plano Estratégico e de Desenvolvimento da Comunidade Urbana das Beiras. Era um dos projectos listados para o concelho da Guarda. Recorde-se que posteriormente a Comunidade Urbana das Beiras viria a ser fundida com a Comunidade da Serra da Estrela sendo elaborado um novo plano estratégico do qual já não faz parte aquele projecto, apesar de estarem incluídos projectos a nível do património.

Elisabete Gonçalves
elisagoncalves@gmpress.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close