Câmara da Guarda tem prejuízo de 2,5 ME em perdas de água e em facturas por pagar

A Câmara Municipal da Guarda tem um prejuízo acumulado de 2,5 milhões de euros relativamente a perdas de água em 2021 e a facturas de clientes por pagar entre 2017 e 2021, disse hoje Sérgio Costa, presidente da autarquia.

De acordo com o autarca, a análise do «estado do sector» revelou que «a dívida de clientes de água, saneamento e resíduos entre 2013 e 2017 reduziu 65%», na vigência dos antigos SMAS [Serviços Municipalizados], extintos em final de 2017, no montante de 738 mil euros, mas a dívida entre 2017 e 2021 «aumentou 141%». «Isto é assustador. E, neste momento, há munícipes que devem à Câmara em água, saneamento e resíduos, cerca de um milhão de euros», entre dívida de médio e de longo prazo, disse hoje o responsável aos jornalistas, no final da reunião quinzenal do executivo.

Sérgio Costa perguntou: «O que é que se passou com isto? Durante os últimos anos nada se fez para cobrar estes valores?».

Acresce, segundo o autarca, que as perdas de água, em 2021, de acordo com os relatórios técnicos apresentados à entidade reguladora do sector de águas e resíduos, «foram de 41%». Ou seja, explicou, na diferença «entre o que se compra e o que se vende, há 41% que se perde». «Sabem em quanto é que isto se traduz em valor monetário, anualmente? Um milhão [e] 563 mil euros», disse aos jornalistas.

Lembrou que entre 2013 e 2017 «houve uma evolução positiva na redução das perdas de água» de 3%, mas, de 2017 para 2021, as perdas estavam em 28% e passaram para 41%, ou seja, «aumentaram 13%». Tudo somado, neste momento, entre a dívida de munícipes de 2013 a 2017 e os prejuízos com as perdas de água em 2021, a autarquia acumula um prejuízo de 2,5 milhões de euros. «Vejam só o que é que isto dava para fazer? (…) Dava para fazer já quase uns Passadiços do Mondego inteiros», observou.

Segundo Sérgio Costa, a situação referida «deve ser o combate dos próximos anos» do executivo que lidera e comprova «o erro colossal da extinção dos SMAS». «Isto faz-nos repensar e começarmos a delinear um verdadeiro “Plano Marshall”, para combatermos as perdas, sejam elas físicas, comerciais, outro tipo de perdas, sejam elas as dívidas de clientes, dos munícipes», admitiu o presidente da Câmara Municipal da Guarda. O autarca lembrou que este ano a autarquia manteve as tarifas do abastecimento de água, saneamento e resíduos do ano anterior.

PUB

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close