Câmara de Pinhel diz que relações contratuais com Transdev estão “devidamente enquadradas”

A Câmara Municipal de Pinhel esclareceu hoje, após as buscas realizadas pela Polícia Judiciária (PJ), no âmbito da operação “Rota Final”, que as relações contratuais com a Transdev estão «devidamente enquadradas nos procedimentos legais em vigor». Em comunicado hoje divulgado, o presidente da autarquia de Pinhel, Rui Ventura (PSD), refere que «as relações contratuais que o município de Pinhel mantém com a empresa Transdev encontram-se devidamente enquadradas nos procedimentos legais em vigor» e que «actuou sempre com transparência e rigor, na defesa do interesse público e dos cidadãos».
Rui Ventura esclarece ainda na nota que, desde a sua tomada de posse como presidente do município, em 09 de Outubro de 2013, «os valores dos contratos de transportes escolares foram reduzidos em 145.860 euros». O autarca sublinha que «a correcção e transparência nos procedimentos» o deixam tranquilo e motivado «para continuar a trabalhar em prol do desenvolvimento das pessoas e do concelho de Pinhel». «Não somos corruptos nem queremos estar associados a tal conotação», vinca o presidente da Câmara de Pinhel. A terminar o comunicado, Rui Ventura diz que está ao dispor para qualquer esclarecimento suplementar, «dos munícipes ou de quem estiver interessado».
Na quarta-feira, uma nota publicada na página na Internet da Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra (PGDC) dava conta de que quatro pessoas, entre ex-autarcas, funcionários de autarquias e de uma empresa de transportes, tinham sido constituídas arguidas neste inquérito, que investiga um alegado esquema fraudulento de viciação de procedimentos de contratação pública.
Nesse dia, a PJ realizou buscas a 18 câmaras municipais do Norte e Centro do país, sendo a operadora de transportes públicos Transdev também uma das visadas.
A nota da PGDC explica que a «investigação visa esclarecer os termos em que o Grupo Transdev obteve contratos e compensações financeiras com autarquias das zonas Norte e Centro do país». «Em causa estão indícios de tráfico de influência, participação económica e corrupção, entre outros crimes. O inquérito encontra-se em segredo de justiça e as investigações prosseguem na Polícia Judiciária», acrescenta a nota da PGDC.
Entre as 18 câmaras municipais alvo de buscas encontram-se nove governadas pelo PSD: Almeida, Armamar, Braga, Fundão, Guarda, Oleiros, Sertã, Pinhel e Tarouca. Sete municípios têm presidência socialista: Belmonte, Barcelos, Cinfães, Lamego, Moimenta da Beira, Oliveira de Azeméis e Soure. A Câmara de Oliveira do Bairro é dirigida por um autarca do CDS-PP e a de Águeda por um eleito de um movimento independente.
A operação, com o nome de código “Rota Final”, envolveu 200 elementos da PJ, entre inspectores, peritos informáticos, peritos financeiros e contabilísticos.
As autoridades constituíram cinco arguidos no âmbito da operação “Rota Final”, entre eles o antigo presidente da Câmara Municipal da Guarda Álvaro Amaro, recém-eleito eurodeputado. Segundo a fonte policial, uma quinta pessoa, que se encontrava no estrangeiro, chegou na quarta-feira a Portugal e também foi depois constituída arguida.
Vários órgãos de comunicação social noticiaram na quinta-feira que os ex-presidentes das câmaras de Lamego e de Armamar (Francisco Lopes e Hernâni Almeida, respectivamente), um funcionário da Câmara de Lamego e um administrador do Grupo Transdev são os outros quatro arguidos.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close