Candidato do PS à Câmara da Guarda diz que «não há vencedores antecipados»

O candidato do PS à Câmara da Guarda, Eduardo Brito, anunciou, na passada semana, que se apresenta a eleições «para «ganhar» e «servir» o município». «Não há vencedores antecipados. (…) O que o povo da Guarda decidir está decidido. Até lá [ao dia das eleições], muita coisa teremos oportunidade de discutir»,.disse, adiantando que, «seja qual for a escolha da Guarda», ficará «quatro anos na Guarda, ou como presidente da Câmara ou a liderar a oposição».
Eduardo Brito, de 61 anos, foi o nome escolhido pela Comissão Política Concelhia do PS da Guarda, por «unanimidade e aclamação», para o partido tentar reconquistar a autarquia da Guarda, que, em 2013, perdeu para o social-democrata Álvaro Amaro. O ex-autarca de Seia disse em conferência de imprensa que conhece «suficientemente bem» a Guarda, pelo que aceitou o convite da Concelhia do partido para «poder ganhar a Câmara Municipal».
Referiu, ainda, que assume o desafio para «unir» o Partido Socialista na cidade e para «servir a Guarda». Segundo Eduardo Brito, o PS «tem um largo historial de sucesso no concelho da Guarda, tem de orgulhar-se do que fez», por isso, irá apresentar um programa eleitoral «ousado» e «adaptado aos tempos modernos».
O ex-autarca de Seia promete ao eleitorado do concelho da Guarda uma alternativa ao actual modelo de gestão autárquica do PSD/CDS-PP que, considera, «investe no efémero, no passageiro» e «não resolve a médio prazo os problemas» locais. «Vamos fazer uma coligação a partir do PS, com as pessoas que não se revêm neste modelo de governação que investe apenas no imediato», disse, assumindo que a sua candidatura será «uma ponte para uma nova geração» de políticos. Assumiu desde já, o compromisso de reduzir o valor do IVA e de reivindicar junto do Governo que «tem que ser feito muito mais por esta região». A aposta passa também pela atracção de mais empresas «para evitar a desertificação e devolver a capacidade de liderança à Guarda».
Nas autárquicas de 1 de Outubro, o actual presidente da Câmara, Álvaro Amaro, vai concorrer ao segundo mandato pelo PSD e o BE candidata Jorge Mendes, ex-presidente do Instituto Politécnico local.
Nas eleições autárquicas de 2013, o social-democrata conquistou ao PS a presidência da Câmara que era gerida por este partido desde as primeiras eleições autárquicas (1976). Álvaro Amaro, que concorreu em coligação com o CDS-PP, foi eleito por maioria absoluta, com 51,43% dos votos e cinco mandatos autárquicos, ocupando o PS os outros dois lugares do executivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close