Candidatura de Saraiva defende que deveria haver congresso distrital do PS

Prossegue a polémica em redor das eleições para a Federação do PS/Guarda. Depois do anúncio da suspensão do congresso distrital, a candidatura de António Saraiva, que tinha vencido as eleições há duas semanas, veio, há poucos minutos, sustentar, em comunicado, que «estariam reunidas todas as condições necessárias para a realização do Congresso Federativo» e a considerar que a decisão da Comissão Federativa de Jurisdição de serem repetidas as eleições é «irregular e extemporânea, logo nula e sem valor» e «não
deveria ter afectado a realização do Congresso», agendado para amanhã em Vila Nova de Foz Côa. Como o TB avançou na edição online, ontem à noite, a Comissão Organizadora do Congresso (COC) suspendeu aquela reunião magna «até que a Comissão Nacional de Jurisdição se venha a pronunciar sobre o recurso» que António Saraiva interpôs contra a decisão da Comissão Federativa de Jurisdição (CFJ) de ser repetido o sufrágio eleitoral para a escolha do presidente da Federação e dos delegados ao congresso. Ao que o TB sabe, a decisão foi de encontro à directiva nacional.
De recordar que a CFJ tinha decidido dar parecer favorável ao recurso apresentado por Eduardo Brito (ex-autarca de Seia), o candidato que abandonou a corrida à presidência da Federação no próprio dia do sufrágio, por considerar «não estarem reunidas as condições democráticas necessárias à realização do acto eleitoral». Em causa esteve a rejeição de seis listas de candidatos a delegados ao congresso. Eduardo Brito também recorreu para a Comissão Nacional de Jurisdição.
António Saraiva, antigo líder da Concelhia da Guarda, viria, por isso, a ser o único candidato à sucessão de José Albano Marques na presidência da Federação Distrital.
Há poucos minutos, a candidatura de António Saraiva emitiu um comunicado para «clarificar algumas situações junto de todos aqueles que ouviram o candidato desistente [Eduardo Brito] fazer ataques, lançar suspeitas e atentar contra o bom‐nome do Partido Socialista, dos dirigentes, locais e nacionais e dos militantes envolvidos no processo eleitoral».
«Assim, não se compreende que um candidato que desistiu, retirando a sua candidatura voluntariamente, abdicando de direitos e deveres que lhe eram inerentes até esse momento, tenha apresentado à Comissão Federativa de Jurisdição, no dia 7 de Março, um pedido de impugnação das eleições através do seu putativo mandatário», refere o comunicado.
A candidatura “Um Distrito na Vanguarda”, que tem como rosto principal António Saraiva, acrescenta que «para efetuar a instrução de processo e proferir decisão, a Comissão Federativa de Jurisdição, de acordo com o Regulamento Eleitoral, tinha um prazo de 48 horas, mas apenas se pronunciou no dia 11 de Março, ou seja, após 96 horas ‐ facto que só por si configura, desde logo, uma decisão extemporânea e nula por ter sido tomada fora de
prazo».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close