Castanheiro de Guilhafonso é um dos dez finalistas a “Árvore do Ano”

O Castanheiro de Guilhafonso, na freguesia de Pêra do Moço (concelho da Guarda), está entre os dez finalistas à “Árvore do Ano 2023”. O concurso, organizado a nível nacional pela UNAC – União da Floresta Mediterrânica, habilita a vencedora, escolhida através de votação pública, a decorrer até às 23h59 (hora portuguesa) do dia 5 de Janeiro de 2023 (https://portugal.treeoftheyear.eu/Trees/Tree-3), a concorrer a “Árvore Europeia do Ano 2023”, promovido pela EPA – Environmental Partnership Association, no início do próximo ano. Será igualmente a votação do público a decidir qual a vencedora.

As finalistas foram seleccionadas por um júri de especialistas. Para esta pré-selecção salientam-se critérios biológicos, estéticos, de dimensão, históricos e culturais, que têm em consideração elementos como a idade, raridade, porte e beleza, mas também as histórias, lendas ou tradições que lhe estão associadas.

Entre elas encontra-se o Castanheiro de Guilhafonso, em Pêra do Moço, no concelho da Guarda, com mais de 500 anos, cerca de 19 metros de altura e 13 metros de perímetro do tronco, sendo de tal forma imponente que são necessários pelo menos nove adultos para abraçar o seu tronco.

O concurso da Árvore Europeia do Ano surgiu no ano de 2011 e foi inspirado no popular concurso da República Checa Árvore do Ano, organizado pela Czech Environmental Partnership Foundation. Desde então, o número de países envolvidos no concurso cresceu de 5 para 22. O concurso europeu é uma final constituída pelos vencedores dos diferentes concursos nacionais, explica a UNAC.

A estreia de Portugal neste concurso deu-se em 2018, tendo a representante nacional sido escolhida pela UNAC, e não podia ter corrido melhor: a conquista do 1º lugar com o «maior sobreiro do mundo», carinhosamente apelidado de Sobreiro Assobiador, da aldeia de Águas de Moura, no concelho de Palmela.

No ano seguinte, com a árvore a ser escolhida pelo actual formato, a Azinheira Secular do Monte Barbeiro (Alcaria Ruiva, Mértola) ficou em 3º lugar, e em 2020 o Castanheiro de Vales (Tresminas, Vila Pouca de Aguiar) obteve o 6º lugar. Em 2021, o Plátano do Rossio (Portalegre) ficou em quarto lugar.

Fique a conhecer as regras para a votação: «Cada pessoa só poderá votar uma vez. O votante selecciona duas árvores e confirma o voto com uma conta de e-mail válida. O voto é validado através do link recebido no seu e-mail. Se não validar o voto, este será considerado nulo. Caso não receba o e-mail para confirmação do voto, verifique a sua caixa de SPAM ou Publicidade não solicitada. Não serão admitidos votos provenientes de contas de e-mail temporárias, “robots” ou outras fontes suspeitas. Este tipo de voto será anulado e descontado ao total do candidato. Os votos emitidos serão verificados e validados diariamente. Nos últimos dois dias o número total de votos de cada candidato permanecerá oculto. O período de votação online decorrerá entre os dias 30 de Novembro de 2022 e 5 de Janeiro de 2023, até às 23h59 (hora portuguesa).»

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close