CCDRC revela que a Região Centro foi a que resistiu melhor aos efeitos económicos da pandemia

O Centro do país foi a região que mais resistiu aos efeitos económicos da pandemia, revelou hoje a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), com base em resultados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística. «Apesar do Produto Interno Bruto (PIB) ter diminuído em todas as regiões portuguesas em 2020, o Centro teve o desempenho menos negativo, apresentando o menor decréscimo do PIB entre as várias regiões», anunciou a CCDRC, em comunicado.

Segundo o organismo sediado em Coimbra, este decréscimo foi determinado pela «contracção do Valor Acrescentado Bruto (VAB) dos ramos do comércio, transportes, alojamento e restauração e da indústria, mas de forma menos acentuada do que nas outras regiões».

Citada na nota, a presidente da CCDRC, Isabel Damasceno, referiu que, apesar do forte impacto da pandemia na actividade económica durante o ano de 2020, «a região Centro mostrou a sua resiliência». «A estrutura produtiva da região, diversificada, territorialmente heterogénea e baseada num tecido empresarial com elevados graus de flexibilidade e de resistência, ajuda a explicar estes resultados», realçou.

De acordo com a CCDRC, o PIB da Região Centro em 2020 ascendeu a 38,4 mil milhões de euros, representando 19,2% do total do país e posicionando-se no terceiro lugar a nível nacional, depois da Área Metropolitana de Lisboa e da Região Norte. «O PIB regional registou uma variação nominal de -4,0% e real de -5,9% face a 2019. No entanto, esta diminuição foi menos intensa do que a média nacional, uma vez que o país registou um decréscimo nominal de 6,7% e real de 8,4%», acrescentou.

A CCDRC salientou que o PIB diminuiu em termos nominais e reais em todas as sub-regiões da Região Centro, com o Oeste e a Beira Baixa a registarem as variações mais negativas. Já as quebras menos significativas em termos nominais ocorreram nas Beiras e Serra da Estrela (-3,4%) e Viseu Dão Lafões (-3,5%), em termos reais em Viseu Dão Lafões (-5,3%) e na Região de Coimbra (-5,4%).

O comunicado refere que as quatro sub-regiões do litoral foram responsáveis por mais de dois terços da riqueza criada na Região Centro em 2020: Região de Coimbra (20,6%), Região de Aveiro (18,5%), Oeste (15,1%) e Região de Leiria (14,6%).

«As sub-regiões com menor peso relativo no PIB regional foram a Beira Baixa e a Beiras e Serra da Estrela, que geraram uma riqueza de 3,7% e 7,7%, respectivamente. O PIB por habitante da região Centro cifrava-se nos 17.275 euros, traduzindo um decréscimo de 780 euros em relação a 2019», lê-se na nota.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close