CEI assinala aniversário

A inauguração de “Transversalidades 2016 – Fotografia sem fronteiras: coordenadas e sinais de mudança”, agendada para esta Sexta-feira às 18h00, é a primeira de um conjunto de iniciativas ligadas à fotografia e ao território programadas pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI), com sede na Guarda, para assinalar o seu 16º aniversário. A exposição, que vai estar patente ao público na Galeria de Arte do Teatro Municipal da Guarda (TMG) até 28 de Janeiro do próximo ano, pode ser visitada de Terça a Quinta-feira das 16h00 às 19h00 e das 21h00 às 23h00 e às sextas e sábados das 16h00 às 19h00 e das 21h00 às 24h00.
A exposição resulta da selecção das mais de 4 mil imagens submetidas ao concurso “Transversalidades – Fotografias Sem Fronteira”, iniciado em 2011«tendo em vista aproveitar o valor estético e pedagógico da fotografia para valorizar territórios com menos visibilidade e de fomentar as trocas entre territórios fronteiriços de matriz ibérica». As 38 fotografias premiadas repartem-se pelas categorias de Melhor Portfolio, Melhor Portefólio temático e Menções Honrosas repartidas pelos quatro temas do concurso, «obras de alguns dos melhores fotógrafos oriundos de todas as geografias do planeta», informa o CEI.
Na ocasião será apresentado o catálogo “Transversalidades 2016. Fotografia sem Fronteiras” e far-se-á a entrega dos Prémios do Concurso Transversalidades 2016.
Ainda na Sexta-feira será inaugurada pelas 21h00 a exposição “Rumores do Mundo: olhar a diversidade que nos rodeia”, que ficará patente no Café Concerto do TMG até 16 de Dezembro. Trata-se de uma mostra temática sobre a Mulher e os Modos de Vida, resultante de uma selecção de trabalhos fotográficos «de grande qualidade artística e técnica desta edição do concurso Transversalidades 2016».
Segue-se uma Tertúlia, com o mesmo nome, que conta com intervenções de Pedro Pita, Florencio Maíllo, Jorge Pena e Santiago Santos.
No Sábado será inaugurada, pelas 10h00, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda, a exposição “Imaginar o território: uma geografia do olhar”, à qual se seguirá o debate “Foto(geo)grafia: imagem e território”, que contará com intervenções de Rui Jacinto (Universidade de Coimbra), Valentín Cabero (Universidade de Salamanca), Jorge Gaspar (Universidade de Lisboa), Susana Paiva (fotógrafa), Fernando Paulouro (jornalista; escritor), Victorino García (fotógrafo), Duarte Belo (arquitecto; fotógrafo), Fernando Rodríguez de la Flor (Universidade de Salamanca) e Lúcio Cunha (Universidade de Coimbra).
A mostra «põe em diálogo tempos e espaços que distam várias décadas e continentes: Portugal está representado por Alfredo Fernandes Martins, José Manuel Pereira de Oliveira e Jorge Gaspar, Espanha por Valentín Cabero Diéguez e o Brasil por Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro, Messias Modesto dos Passos e Rogério Haesbaert».
«Merecerão um olhar mais atento os trabalhos imagéticos (desenhos, mapas e fotografias) de Alfredo Fernandes Martins por estarmos no ano em que se comemora o Centenário do seu nascimento», justifica o CEI.
Para a Galeria de Arte do Paço da Cultura da Guarda está agendada para as 14h30 a inauguração das exposições “Olhos nos Olhos” e “Imaginary Travel Around the USA”, de Monteiro Gil.
As mostras estarão patentes ao público até 7 de Janeiro do próximo ano, podendo ser visitadas de Terça-feira a Sábado das 13h00 às 19h00.
«A pintura, a gravura e o desenho foram as matérias iniciais da formação e do trabalho de Monteiro Gil que, juntamente com outros artistas da sua geração, criou em Portugal um espaço de reflexão e de criação de novas propostas. As suas intervenções, atravessadas por influências diversas da arte contemporânea, reflectem a permanente inquietação criativa e o gosto da experimentação. A fotografia insere-se nesta dinâmica, tendo-se tornado posteriormente a forma privilegiada de compreender e revelar o mundo. Sem que tenha havido uma ruptura ou oposição, a fotografia surgiu assim, naturalmente, primeiro, em diálogo com a pintura; depois, como um meio de expressão autónomo, com eventuais incursões por outras tendências estéticas», escreve Marcela Vasconcelos sobre Monteiro Gil.
Todas as iniciativas têm entrada livre e integram o programa de Comemorações do 817º aniversário da Cidade da Guarda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close