Centro de Alto Rendimento do Pocinho vence Prémio de Arquitectura do Douro

O Centro de Alto Rendimento do Pocinho, projectado pelo arquitecto Álvaro Fernandes Andrade e situado no concelho de Vila Nova de Foz Côa, foi o vencedor do Prémio de Arquitectura do Douro. O galardão foi hoje entregue pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, durante uma cerimónia realizada em São João de Tarouca, quando se assinala o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.
A Câmara de Foz Côa encara com «bastante responsabilidade, naturalidade e exigência” a distinção do Centro de Alto Rendimento do Pocinho. «A partir deste momento, nós sabemos que, para além de termos dois patrimónios da humanidade (Alto Douro Vinhateiro e Gravuras Rupestres), temos também outros prémios que foram distinguidos não só ao nível nacional, como também ao nível do território do Douro», disse aos jornalistas o vice-presidente da autarquia, João Paulo Sousa, depois de ter recebido o galardão das mãos do ministro da Cultura.
A última edição do Prémio de Arquitectura do Douro, correspondente aos anos 2013/2014, tinha sido ganha pelo Museu do Côa, dos arquitectos Camilo Rebelo e Tiago Pimentel, situado no mesmo concelho.
Inaugurado a 06 de Julho de 2016, o Centro de Alto Rendimento do Pocinho representou um investimento de sete milhões de euros. Segundo João Paulo Sousa, o centro «está a ser visitado por imensa gente, não só por atletas de alta competição», estando a ser feita «uma planificação da sua internacionalização» de forma a atrair mais gente ao concelho.
Este projecto surgiu «de uma exigência de equipas que já faziam alta competição», concretamente equipas russas que se deslocavam muitas vezes ao concelho. «Diziam-nos que era importante construir um empreendimento, porque aquele espelho de água que estava junto à barragem do Pocinho era um dos melhores para a prática do remo e da canoagem», contou.
O autarca referiu que o centro tem três áreas – de treino, de alojamento e de lazer – e «não está única e exclusivamente restrito a toda a prática do desporto». O seu enquadramento na paisagem do Douro foi uma das preocupações: «é um edifício de cor branca e que acompanha os socalcos, precisamente para não criar uma discrepância em termos de impacto ambiental».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close