CERCIG aposta em três grandes projectos em 2017

Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados da Guarda (CERCIG) pretende investir em três grandes projectos a partir do próximo ano, um dos quais a implementar no edifício da antiga Pensão Guardense, cedido há cerca de um mês à instituição. «Aquilo não pode ser um elefante branco, temos que tratar de fazer um concurso de ideias para investimento naquele lugar, talvez novas valências para podermos ali trabalhar», avança o presidente da direcção, José Martins Igreja. «Esse edifício já está registado em nome da CERCIG e é um bem de algumas centenas de milhares de euros. A primeira questão para nós é esta», destaca.
É desejo da doadora do imóvel, Bernardete Pereira, que ali funcione uma estrutura de «apoio a mulheres com dificuldades», mas está tudo em aberto uma vez que «também nos autorizou que fossem colocados lá os serviços da CERCIG que nós achassemos convenientes e necessários para a melhor evolução da instituição».
O futuro do imóvel terá sido discutido esta Terça-feira numa Assembleia-geral que teve como tema principal o Plano e Orçamento para 2017, mas que serviu igualmente para dar a conhecer aos cooperantes os projectos que a direcção tem em mente «a pensar naquilo que faz falta à Guarda e ao distrito».
«E o que faz falta na nossa opinião muito humilde? Um novo CAO – Centro de Actividades Ocupacionais. Nós temos o nosso completamente cheio, com lista de espera e cremos que será fundamental nós pudermos evoluir numa nova dinâmica para esse novo CAO, que seria sediado na nossa quinta, onde temos casas e podiam ser recuperadas para esse efeito», revela Martins Igreja.
A construção de um novo lar para deficientes é outro dos projectos para 2017. «Não será ainda o edificado, será o momento dos financiamentos, dos projectos e toda aquela parte burocrática que é necessária e fundamental para se puder depois levar mais à frente», ressalva o presidente, destacando não só o «know-how» da instituição nesta área como também a importância da existência de uma nova estrutura. «O nosso novo lar que temos a funcionar há dois, três anos, está completamente cheio e também temos muita gente à espera de pudermos avançar», justifica.
Em discussão terá estado também que destino a dar ao terreno em frente da CERCIG, junto ao Parque da Saúde, «que nos foi atribuído pela Câmara há cerca de três ou quatro anos», e que pode passar por «ajardinar para aproveitamento dos nossos utentes, ou fazer um parque de estacionamento para os nossos funcionários».
Quanto à saúde financeira da instituição, Martins Igreja garante que ser «perfeita». «Não temos problemas financeiros, mas também não temos sobras, como se costuma dizer», afirma, sublinhando que a sustentabilidade económica e financeira da casa é uma das grandes preocupações da direcção. «Somos poupados, cautelosos, não fazemos investimentos assim à tonta, há até quem nos chame demasiado poupados, mas temos que o ser porque o financiamento ao nível de Estado tem sido difícil nalgumas áreas», justifica.
«O nosso orçamento anual anda sempre pelo resvés. Ou seja, recebemos 1 milhão e 200 mil euros, gastamos 1 milhão e 200 mil euros», revela o dirigente, evidenciando que «o “peso pesado” daquela casa é o conjunto de funcionários que temos». Ao que acresce todas despesas inerentes ao funcionamento da instituição, tais como, entre outras, aquecimento, alimentação, transportes, combustíveis e manutenção da piscina.
«Custos brutais que são sempre geridos ao cêntimo para que a saúde financeira da CECIG exista, e já existe sem qualquer problema financeiro», refere Martins Igreja, afirmando que só assim «nos podemos abalançar neste momento a esses novos projectos».
GM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close