CineEco nos concelhos da CIM das Beiras e Serra da Estrela

A Comunidade das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) está a implementar um pacote de programação designada “Cultura em rede das Beiras e Serra da Estrela”, através de uma candidatura aprovada no montante de «1 milhão e 300 mil euros».
O referido programa, informa a CIM-BSE em comunicado, contempla animação dos centros históricos dos 15 concelhos que integram a Comunidade, num formato de festival, nas áreas de teatro, dança e música, programadas em rede para os anos de 2018, 2019 e 2020. Entre outros, a iniciativa contempla realização de espectáculos comunitários itinerantes, visitas guiadas e encenadas, promovendo a valorização da cultura, história e costumes do território.
Para o efeito, o Conselho Técnico da Comunidade, numa reunião que teve lugar a 27 de Junho em Seia, com o objectivo de fazer o ponto de situação do programa, nomeou um grupo «restrito» de trabalho, composto por programadores de seis municípios, com coordenação de Mário Branquinho. Este responsável, que é também director do CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, apresentou uma proposta de descentralização do festival aos municípios da CIM-BSE. «O que foi muito bem aceite, porque é uma forma de demonstrar que no futuro teremos de ter cada vez mais eventos alargados a esta região», afirma Mário Branquinho. «Este é um bom ponto de partida para o aprofundamento do “espírito CIM” que deve aprofundar-se cada vez mais», defende.
O que se pretende demonstrar com esta parceria é «a importância de organizações conjuntas na Comunidade Intermunicipal e, assim, contribuir para o reforço da coesão territorial». «Levar o cinema de ambiente às comunidades deste território, envolvendo as pessoas e sobretudo as escolas, é um dos propósitos desta iniciativa em concreto. Um objectivo ancorado num festival que se afirma como uma marca de prestígio nacional e internacional», explica Mário Branquinho.
E já estão previstas novidades no CineEco 2017. Para esta edição, que decorrerá de 14 a 21 de Outubro em Seia, mais uma vez com organização do Município, cada um dos municípios indicará um jovem do seu concelho para integrar o júri da juventude, que permanecerá naquela cidade durante o festival. «Cada um dos programadores dos municípios poderá também acompanhar o festival durante alguns dias em Seia e assim inteirar-se da dinâmica do mesmo. Os autarcas são também convidados a marcar presença em qualquer dos momentos do festival», revela o director.
A partir daí, cabe a cada um dos municípios programar para o seu concelho, até à próxima edição, os filmes que entender, para exibir em auditório, escolas ou ao ar livre, sempre em articulação com a organização, podendo envolver parceiros locais, «como já acontece hoje na Guarda com o TMG e CineClube, na Covilhã com a UBI ou no Sabugal com a Delegação da Universidade Aberta».
Podem também ser organizadas algumas iniciativas paralelas do CineEco nos concelhos da CIM, como sejam oficinas ou sessões de projecção temáticas, ou debates. «Podem articular-se, por exemplo, deslocações de convidados do CineEco – actores, realizadores, membros do júri e outros – a escolas ou instituições para falar de cinema de ambiente ou temáticas relacionadas», explica.
«Ou seja, este é o início daquilo que pode ser uma longa caminhada do festival que o município de Seia organiza, mas que quer cada vez mais partilhar com os restantes municípios da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela. E será tanto maior e profícua quanto maior for também o entusiasmo e dinâmica que cada município queira imprimir», afirma Mário Branquinho.
Nos últimos anos, recorda, os filmes que são exibidos durante o festival «têm percorrido depois durante um ano várias cidades portuguesas, nas diversas extensões estabelecidas com os seus parceiros: Açores (Terceira, Faial e São Miguel), Almada, Aveiro, Coimbra, Guarda, Barcelos, Vila Real, Covilhã, Vimioso, Alcobaça, Leiria, Figueira da Foz, Lisboa (APA, ASPEA, Agrobio, Olivais), Barcelos…).
«Para além disso, o Festival vai às escolas e as escolas vão ao CineEco, mantendo-se uma forte ligação a vários estabelecimentos de Ensino Superior: Universidade da Beira Interior (UBI, Covilhã); Universidade de Alto Douro e Trás-os- Montes (UTAD, Vila Real) e Instituto Politécnico da Guarda (IPG)», conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close