Concessionária diz que não tem em curso processo de revisão de portagens na A23

O director-geral da concessionária Scutvias disse ontem que não está em curso qualquer processo de revisão do regime de portagens na autoestrada da Beira Interior (A23) e adiantou que o novo regime de concessão entrou em vigor.
O director-geral da Scutvias, Pinho Martins, foi claro na resposta aos jornalistas sobre a eventual existência de um processo de revisão do regime de portagens na A23: “Do nosso lado [empresa], não. Tanto quanto sabemos pela comunicação social é que estará em curso [por parte do Governo] uma avaliação no que toca às portagens”.
A A23 atravessa os distritos da Guarda, Castelo Branco, Portalegre e Santarém, ligando Torres Novas (A 1) à Guarda (A 25).
Este responsável, que falava à margem de uma conferência de imprensa para a apresentação do XI Festival de Música da Beira Interior, adiantou que a empresa fica com autonomia para propor ao Governo alterações no âmbito da receita de portagens.
“A seu tempo, irá fazê-lo. Não agora, como calculam. O que está neste momento em cima da mesa e a conjuntura nem sequer aconselham que eu me alargue muito a falar nisto”, disse.
Contudo, adiantou que “estando neste momento o Governo a pensar o que vai fazer – e o ministro [das Infraestruturas] já o disse várias vezes e publicamente que vai fazer alguma coisa – e estando as forças vivas da região expectantes para saber o que sai exactamente do ministério, o que é que se podem fazer?”. “Nada. Estamos também expectantes”.
Pinho Martins explicou que o novo regime de concessão da autoestrada da Beira Interior entrou em vigor no final do ano de 2015 e que a concessionária está a fazer o seu caminho.
“As negociações ficaram fechadas com o anterior Governo e o novo contrato de concessão entrou em vigor em Novembro do ano passado”.
No novo contrato, o prazo da concessão da A23 foi prolongado em mais três anos e o regime de remuneração da concessionária foi alterado.
“Passámos a ser remunerados pelas receitas de portagem mais umas compensações do Estado. É um regime de concessão misto, não é o mesmo sistema das outras ex-scut que são remuneradas só com pagamentos fixos do Estado”, explicou.
Este responsável adiantou que a Scutvias “mudou de paradigma” e, agora, uma parte da sua remuneração vem das portagens.
Pinho Martins realçou que a Scutvias nunca pensou fazer cortes transversais no preço das portagens.
“Sempre pensou em criar uma estratégia de ‘marketing’ apropriada em que eventualmente a autoestrada tinha que ser explorada de outra forma. O preço pode depender de várias coisas. Cortes transversais não fazem muito sentido a nosso ver, em termos de estratégia”, concluiu.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close