Confraria de Fornos de Algodres incentiva produção de queijada de urtiga

Uma queijada de urtiga é o mais recente produto gastronómico a surgir no concelho de Fornos de Algodres, distrito da Guarda, por iniciativa da Confraria da Urtiga que foi criada para incentivar a utilização daquela planta na alimentação.
As queijadas de urtiga são confeccionadas por Amélia Reis, de 70 anos, residente na aldeia de Juncais, a partir de uma receita que tem como ingredientes açúcar, farinha, leite, ovos e urtiga. «A ideia nasceu do nosso grão-mestre da confraria. Uma vez que eu era confrade, um dia ele lançou-me o desafio de arranjar um bolo onde se pudesse adaptar a urtiga. Então eu, com uma receita que tinha, comecei a fazer experiências», contou Amélia Reis à agência Lusa.
A mulher lembra que fez várias experiências em torno da queijada e que, à terceira, «ficou no ponto». «Eles [confrades] aprovaram e a partir daí tenho confeccionado as queijadas de urtiga», explicou.
Comparando a confecção da queijada de urtiga com outro bolo, diz que «as voltas são idênticas, a única coisa que tem [de diferente] é o preparar a urtiga»: «Temos que ir apanhar a urtiga, prepará-la para quando pretendemos fazer [o bolo] termos a urtiga já preparada, porque a urtiga não se pode introduzir vinda do campo. Tem de ser lavada, cozinhada, passada e depois então é que é introduzida no bolo». Amélia Reis mostra-se «um bocadinho orgulhosa» por a receita da queijada de urtiga ter resultado e o próximo passo é a sua legalização e colocação no mercado.
A Confraria da Urtiga, criada em Maio de 2009, em Fornos de Algodres, tem incentivado a utilização daquela planta na gastronomia local. «Neste momento, temos já alguns produtos que são incontornáveis de Fornos [de Algodres], nomeadamente a questão da alheira de urtiga, temos as sopas, temos algumas experiências nos queijos, temos o pão e temos, proximamente, um produto que irá ser lançado e eventualmente registado, que é a queijada de urtiga», disse à Lusa o grão-mestre, Manuel Paraíso.
Segundo o responsável, a confraria também lançou este ano a primeira experiência na produção de bombons de chocolate com recheio de urtiga. «A urtiga tem um potencial muito grande» e «uma panóplia muito grande de utilizações, não só nas entradas, como nas sopas, como em qualquer prato de peixe e de carne. É uma planta com um grande potencial nutritivo e que casa muito bem com tudo aquilo que envolve», referiu.
O grão-mestre aponta, com satisfação, que já estão no mercado dois enchidos confeccionados com urtiga: a “alheira de urtiga” e a “urtigueira” (semelhante à alheira). O próximo objectivo da confraria é disponibilizar aos interessados na confecção de produtos à base daquela planta um espaço devidamente licenciado e legalizado. Nesse sentido, adianta que o antigo centro de dia da aldeia de Juncais, que está sem utilidade, será requalificado como cozinha comunitária. A urtiga, que tem o nome científico de “urtica dioica”, é uma planta selvagem que cresce nos campos de forma espontânea.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close