Contra-ordenações por consumo de droga aumentam na Guarda

Em 2014 foram instaurados mais de 9 mil processos de contra-ordenações, um número recorde desde que a aquisição, a posse e o consumo de droga deixou de ser considerado crime em Portugal, e o distrito da Guarda aparece destacado.
Nas 18 Comissões para a Dissuasão da Toxicodependência com sede em cada capital de distrito de Portugal Continental foram instaurados 9 059 processos [cada processo corresponde a uma ocorrência e a um indivíduo] relativos às ocorrências de 2014, representando o valor mais alto desde 2011 e um ligeiro aumento (+4 por cento) em relação a 2013». «O distrito do Porto, seguido dos de Lisboa, Setúbal, Braga, Faro e Aveiro registaram o maior número de processos, destacando-se os distritos de Faro, Guarda, Beja e Porto, com as taxas mais altas destas ocorrências por habitantes dos 15-64 anos», revela o relatório sobre A Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependências em 2014, apresentado Quarta-feira da semana passada na Assembleia da República pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD).
Comparativamente a 2013, «verificaram-se acréscimos do número de processos na grande maioria dos distritos, registando-se os mais elevados, em valores absolutos, nos distritos de Lisboa, Setúbal e Guarda, e em valores percentuais nos distritos de Guarda, Beja, Bragança e Castelo Branco».
Em termos concretos, em 2014 foram instaurados no distrito da Guarda 217 processos de contra-ordenações por consumo de drogas. Uma taxa de 234 por 100 mil habitantes na faixa etária 15-64 anos.
Na distribuição dos processos de contra-ordenação, segundo a droga envolvida, o relatório aponta que a leitura das percentagens, considerando como base percentual os processos abertos em cada distrito, permite evidenciar algumas heterogeneidades. «Os processos envolvendo só cannabis variaram a nível distrital entre os 52 por cento (Beja) e os 90 por cento (Portalegre e Setúbal) [87 por cento na Guarda]»; «os só de heroína entre os 1 por cento (Aveiro) e os 24 por cento (Viseu) [3 por cento na Guarda]»; «os só de cocaína entre os 1 por cento (Guarda) e os 15 por cento (Coimbra); «e os processos envolvendo várias drogas variaram entre os 2 por cento (Braga, Bragança, Portalegre e Setúbal) e os 32 por cento (Beja) [3 por cento na Guarda])», concretiza.
No contexto das decisões judiciais, em 2014 registaram-se 1 187 processos-crime findos envolvendo 1 706 indivíduos, na sua maioria (87 por cento) acusados por tráfico. Cerca de 87 por cento dos indivíduos envolvidos nestes processos foram condenados e 13 por cento absolvidos.
Apenas foram consideradas as decisões judiciais datadas de 2013 e 2014 que deram entrada no SICAD até 31 de Março de 2015, refere o relatório, acrescentando que os dados de 2014 serão actualizados no próximo ano com as decisões que derem entrada no SICAD até 31 de Março de 2016.
Dos 1 479 indivíduos condenados, 29 no distrito da Guarda, em termos absolutos, correspondendo a uma taxa de 31 por 100 mil habitantes na faixa etária 15-64 anos, 79 por cento foram-no por tráfico, 20 por cento por consumo e menos de 1 por cento por tráfico-consumo, «estando o aumento de indivíduos condenados por consumo desde 2009 relacionado com a fixação de jurisprudência sobre as situações para consumo próprio em quantidade superior à necessária para o consumo médio individual durante 10 dias», justifica o documento.
Dos 1 166 indivíduos condenados por tráfico, 1 161 tinham sido inicialmente acusados por esse crime, 3 por tráfico-consumo e 2 por consumo. Dos 299 indivíduos condenados por consumo, 178 (60 por cento) vinham acusados por este crime, 121 (40 por cento) por tráfico. Dos 14 indivíduos condenados por tráfico-consumo, 2 (14 por cento) vinham acusados por este crime e 12 (86 por cento) por tráfico.
Uma vez mais, aponta o relatório do SICAD, «Lisboa e Porto foram os distritos que registaram as percentagens mais elevadas destas condenações (respectivamente 38 e 20 por cento), seguindo-se-lhes Setúbal (7 por cento), Faro (4 por cento) e a Região Autónoma dos Açores (4 por cento). As maiores taxas por habitante de 15-64 anos registaram-se no distrito de Lisboa e na Região Autónoma dos Açores, seguindo-se-lhes Guarda e Portalegre».
GM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close