Coordenador distrital admite que a votação no Bloco de Esquerda «ficou aquém das expectativas»

O coordenador distrital do Bloco de Esquerda e candidato à presidência da Câmara Municipal da Guarda, Jorge Mendes reconhece que os resultados ficaram «aquém das expectativas» e dos resultados de há quatros anos. Nas autárquicas de Domingo, o partido no distrito da Guarda concorreu apenas no concelho da Guarda com listas à Câmara Municipal da Guarda, Assembleia Municipal da Guarda, Junta de Freguesia da Guarda e Assembleia de Freguesia da Vela. Jorge Mendes evidencia que o BE conseguiu manter um deputado municipal, mas admite que gostariam de aumentar a representatividade com um segundo elemento. O Bloco de Esquerda será representado pela psicóloga Bárbara Xavier.

Nas eleições de Domingo, o Bloco de Esquerda obteve menos 400 votos do que a votação registada em 2017. Jorge Mendes admite que esse eleitorado se tenha dispersado pelo CHEGA e pelo movimento “Pela Guarda”. Na sua opinião, a questão do CHEGA «é muito complicada». Ressalva que não é propriamente o que se verifica no concelho da Guarda, mas refere que em alguns locais «mesmo sem candidatos credíveis», o CHEGA alcançou votações «quase de gozo», ainda que os eleitores justifiquem como sendo «um voto de protesto». Ainda assim, o coordenador distrital entende que o Bloco fez uma campanha «bastante boa» na tentativa de tornar o concelho da Guarda «mais humano e mais inclusivo». «Infelizmente foi um trabalho não reconhecido pelas pessoas», sublinha. O dirigente destaca ainda uma mais valia da candidatura que pode ser «muito jovem» conseguiu atrair os jovens traduzindo-se num aumento do número de novos militantes. «Foi bom para nós», sublinha Jorge Mendes.

O dirigente bloquista aponta que o resultado no concelho da Guarda acompanha «a descida generalizada a nível nacional», lembrando que perdeu quatro dos 12 vereadores que tinha em autarquias. O dirigente bloquista defende que o partido vai ter de reflectir sobre a estratégia a adoptar. Já no próximo Sábado haverá uma Mesa Nacional, na qual Jorge Mendes tem assento, para discutir a forma de trabalhar e rever a forma como o partido está a ser gerido. Jorge Mendes aponta que há uma maioria ancorada no trabalho nos centros urbanos esquecendo-se que existe um país «a 7 ou 8 velocidades».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close