Degradação evitável da vida coletiva

Um dos meus antigos alunos em conversa telefónica sublinhou que o atual governo é de qualidade inferior ao anterior, tendo o primeiro-ministro tentado o seu reforço da pior forma, abrindo uma brecha em Caminha, que se veio somar a uma outra em Montalegre, onde presidente e vice-presidente acabaram por renunciar aos seus mandatos. Soma-se a um outro caso, o de Arouca onde uma estrada foi feita sem qualquer concurso, agindo o Presidente, o homem das perigosas golas antifumo, que, felizmente, nenhum bombeiro usou. Outro, na nossa Beira Serra entregou uns contratos lesivos da sua autarquia a umas empresas em vias de falência, mas não as salvou, só lesou a autarquia e desprestigiou o camarada que lhe sucedeu. Na Guarda, o atual presidente foi obrigado a anular um protocolo de cedência dos terrenos do antigo matadouro.

Em todos estes casos vemos como o órgão autárquico assembleia municipal não foi capaz de travar estes desatinos da governança local, prejudicando o desenvolvimento das respetivas autarquias e consequentemente o bem-estar das populações, perdendo-se tempo e dinheiro, mostrando como o seguidismo cego dos líderes partidários leva a decisões abstrusas e inconsequentes.

Contudo, este problema não é só nacional pois assistimos há pouco mais de um ano ao assalto ao Capitólio nos EUA, comandado pelo carismático Donald Trump. Tememos que o mesmo acontecesse no Brasil, mas o presidente derrotado teve o necessário bom-senso. Serviu-lhe de exemplo o que está a acontecer nos USA.

Contudo, sabemos que um antecessor do atual governante, que quer ser assistente num processo que envolve a EDP contesta um requerimento submetido ao juiz Carlos Alexandre, pelo MP “em que este alega que, perante as informações obtidas a partir do telemóvel apreendido a Manuel Pinho em buscas à residência em Braga, onde está em prisão domiciliária, foi possível apurar a existência de 115 comunicações na rede social WhatsApp (com anexos, mensagens escritas e de voz) trocadas entre arguido e assistente neste processo entre 16 de março e 3 de novembro de 2022” (Caso EDP. Sócrates critica MP por “insistir” em afastá-lo do processo (msn.com), acesso em 23/11/2022), mostrando como antigos governantes buscam arrogantemente bloquear a Justiça.

Os demais, quando questionados pelos seus maus comportamentos, dizem que está tudo tranquilamente bem com eles, mas empobrecemos sempre. São uma marca do tempo que vivemos em que somos obrigados a aguentar esta gente, e sem que o Governo e a Justiça assegurem alguma normalidade nas relações sociais existentes, havendo profissionais cujas vidas se degradaram por força de políticas governamentais na educação como é o caso dos professores e educadores, a quem são negadas continuadamente as progressões na carreira e condições normais de vida e de trabalho. E os governantes sempre passageiros nesta viagem dizem ser impossível repor direitos e, até uma qualquer contagem justa de tempo de serviço é impossível por não haver dinheiro no orçamento do estado.

Não admira que os resultados já conhecidos do recenseamento de 2021 revele baixas de população no Interior e também no Litoral, explicitando um votar continuado contra este tipo de governação desajustada e permissiva de comportamentos anómalos nos variados patamares da governação. Torna-se por isso algo a corrigir já.

De facto, até o Distrito de Coimbra perdeu na última década 22000 habitantes e a razão é que esta insensata e insensível governação, nem sequer gere bem os nossos sacrifícios. E desta gente não se espera nada melhor. Devemos ficar atentos para os manter longe.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close