Deputado Carlos Peixoto (PSD) questiona Governo sobre acomodação de doentes no hospital da Guarda

O deputado do PSD Carlos Peixoto questionou o Governo sobre a «situação dramática» em que se encontra o hospital da Guarda em relação ao acolhimento e acomodação «segura e condigna dos doentes».

Carlos Peixoto questiona, numa pergunta enviada à ministra da Saúde, se a tutela está «a par da situação dramática em que se encontra o hospital da Guarda no que respeita ao acolhimento e acomodação segura e condigna dos doentes». «Que plano ou estratégia tem o Governo para evitar que os corredores do hospital sejam depósitos impressionantes e insalubres de macas e de doentes?», pergunta, também, o social-democrata.

Segundo o deputado eleito pelo círculo eleitoral da Guarda, «imagens recentemente divulgadas na comunicação social mostraram o caos e a tragédia que se vive» no Hospital Sousa Martins. «Corredores atolados de macas e doentes, filas intermináveis de acamados e um depósito dantesco e indigno de pessoas na urgência exibem bem o estado de calamidade a que chegou a saúde no distrito da Guarda», relata.

O social-democrata acrescenta que «não está em causa a inexcedível entrega dos profissionais de saúde», mas sim «as condições deploráveis da prestação dos cuidados de saúde». «O actual contexto pandémico não pode explicar tudo, até porque a incapacidade de ação do hospital já há muito tempo que é questionada e denunciada. O Governo e a administração do hospital não podem conformar-se com a transformação de uma unidade de saúde num armazém macabro e recheado com um inacreditável amontoado de doentes», afirma.

Para o deputado, «a contratação imediata de estruturas de retaguarda que colmatem provisoriamente (mas com segurança) as carências existentes é uma possibilidade que pode ser tida em conta». «A construção do “pavilhão 5” tantas vezes prometido e nunca mais dado à luz é outra opção que liberta de vez espaço para utilização e readaptação das instalações existentes. O que não pode manter-se é a actual balbúrdia que se vive e a total inoperância para a superar. Impõe-se, por isso, a tomada de decisões firmes, eficazes e urgentes», conclui.

Na semana passada, em Évora, a ministra da Saúde alertou que Portugal enfrenta uma nova «fase de imensa pressão” no Serviço Nacional de Saúde devido ao crescimento de casos de covid-19.

Marta Temido salientou que a tutela «tem trabalhado em rede e diariamente» com todos os hospitais, administrações e serviços de saúde e todos têm procurado fazer «uma gestão de camas e de fluxos». «Do lado do Ministério da Saúde, o nosso esforço continua no sentido da articulação, transferência de doentes, abertura de vias de comunicação e contratação externa, nomeadamente convenções com o privado», referiu.

Na Segunda-feira, a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, reuniu com a administração da Unidade Local de Saúde da Guarda e anunciou que o Governo pretende investir um total de 12,3 milhões de euros na melhoria das condições de edifícios do hospital e do Centro de Saúde de Seia. «A área da saúde é, e tem que ser, uma área prioritária de investimento no nosso país. Tem que ser, e é, uma área prioritária de aplicação de fundos comunitários», afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close