Deputados municipais da Guarda protestam pelo número diminuto de vagas na ULS

A Assembleia Municipal da Guarda aprovou hoje, por unanimidade, um voto de protesto pela abertura de um número reduzido de vagas para a carreira médica hospitalar na Unidade Local de Saúde (ULS). O voto de protesto foi apresentado pelo deputado municipal do CDS-PP Henrique Monteiro.
A Assembleia Municipal da Guarda, presidida por Cidália Valbom (PSD), aprovou por unanimidade “apresentar ao Governo e ao Ministério da Saúde um voto de protesto pelo número diminuto de vagas abertas para a carreira médica hospitalar na ULS da Guarda, no mais recente procedimento concursal”.
No documento, é também apresentado “um protesto pela insensibilidade que essa decisão demonstra perante as carências vividas” naquela unidade de saúde, “acentuando ainda mais a discriminação das pessoas” que vivem no concelho e distrito da Guarda, no que respeita ao acesso aos cuidados de saúde.
Segundo o documento apresentado pelo CDS-PP, no caso da ULS da Guarda, “são do conhecimento público as dificuldades ao nível, entre outras, de especialidades como Cardiologia, Ortopedia, Radiologia, Gastrenterologia, Otorrinolaringologia, Urologia e Oftalmologia, algumas das quais em quase situação de paralisação, por falta de recursos humanos médicos”.
“Surpreendentemente, no recente procedimento concursal para médicos recém-especialistas, à ULS da Guarda foram atribuídas apenas seis das 57 vagas abertas para a região Centro, o que contraria a propalada aposta deste Governo no combate à interioridade e ao despovoamento do interior”, é referido.
Para o partido, “este número é manifestamente insuficiente para garantir a qualidade e acesso da população aos cuidados de saúde, face à situação de absoluta necessidade existente nas especialidades de Cardiologia, Ortopedia, Anestesiologia, Anatomia Patológica, Gastrenterologia, Medicina Interna, Neurologia, Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Patologia Clínica, Pneumologia, Psiquiatria e Radiologia”.
Segundo o CDS-PP, “este contexto de carência extrema na ULS da Guarda é conhecido de todos e deveria fazer com que o Ministério da Saúde tivesse maior atenção para quem tem maiores dificuldades, o que efectivamente não acontece”.
Sobre o assunto, pronunciou-se apenas o deputado municipal do PS Matias Coelho.
“Protestar para conseguir mais, quem é que não deve protestar? Nesse sentido, concordo com o voto de protesto e vou votar a favor”, declarou.
A Assembleia Municipal da Guarda aprovou ainda, por unanimidade, dois votos de pesar, um do PSD e outro do PS, pelo falecimento, em 22 de Dezembro de 2018, do professor e dirigente desportivo Segura Fernandes.
Foi ainda aprovada, também por unanimidade, uma moção do BE, apresentada por Marco Loureiro, pelo combate à violência do género e doméstica, a exigir que o Governo e a Assembleia da República “tomem o combate à violência de género como prioridade política efectiva”. O documento também defende que o município da Guarda elabore um Plano Municipal contra a Violência de Género e coloque em funcionamento um Gabinete Municipal para a Igualdade de Género e combate à Violência Doméstica.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close