Desvinculação da ADRUSE provoca discussão acesa entre presidente da Câmara da Guarda e vereador do PSD

SONY DSC

A Câmara Municipal da Guarda aprovou esta semana, em reunião do executivo, a desvinculação do município da Associação de Desenvolvimento Rural da Serra da Estrela (ADRUSE). A proposta apresentada pelo presidente de Câmara, Sérgio Costa, foi aprovada por maioria mas gerou discussão com o seu antecessor e vereador do PSD, Carlos Monteiro. Em causa não esteve a saída do município daquela Associação, mas o facto da proposta prever o pagamento de 50 mil euros à Associação. O vereador social democrata considera que a desvinculação «já aconteceu há muito tempo» e que por isso «não há lugar ao pagamento de qualquer valor». Carlos Monteiro considera que se trata «de um acto danoso» e «prejudicial para as finanças da autarquia». O vereador argumentou que a desvinculação aconteceu ainda durante o mandato do socialista Joaquim Valente e que o pagamento dos 50 mil euros «é indevido».

Sérgio Costa explicou que a proposta de desvinculação da ADRUSE com o pagamento de 50 mil euros resulta de um parecer elaborado pelo consultor jurídico da autarquia e acusou o vereador do PSD de estar a tentar criar «um caso político» e de pôr em causa a análise do consultor jurídico. A troca de argumentos assumiu um tom crispado, tendo o presidente da Câmara avisado que interrompia a reunião caso Carlos Monteiro «não se comportasse». Os dois vereadores do PSD presentes, Carlos Monteiro e Lucília Monteiro, votaram contra, tendo o vereador do PS, Luís Couto votado favoravelmente a proposta. Já depois de terminar a reunião, o presidente da Câmara explicou que apesar de no passado ter havido a intenção de sair da ADRUSE, nunca houve uma decisão aprovada em reunião de Câmara ou em Assembleia Municipal. Defendeu que a autarquia esteve sujeita ao pagamento de quotas nos últimos anos e lembrou «onde é que está a desvinculação» se o município «até aceitou fazer parte dos órgãos sociais». A decisão de sair da ADRUSE prende-se com o facto da Associação já não abranger o território do concelho da Guarda, onde já existe a associação ProRaia com a mesma finalidade. «Esta associação não pode fazer nada pela Guarda», justificou Sérgio Costa.

Na reunião de Segunda-feira, o executivo municipal aprovou também a prorrogação do contrato de prestação de serviço dos transportes urbanos da Guarda com a empresa Viúva Monteiro. O presidente da Câmara explicou que a autarquia recebeu o visto do Tribunal de Contas relativo ao concurso público que atribui a concessão daquele serviço à empresa Encostatur sendo necessário conceder seis meses para que a nova operadora possa entrar. O autarca admitiu que o serviço que está actualmente a ser prestado «não é o melhor, mas também não é o pior», explicando que «este é um caminho que tem de ser feito». O vereador do PS, Luís Couto, lamentou que «assim seja» e considerou que o serviço está a ser feito «de uma forma muito inadequada».

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close