Dezasseis linces ibéricos vivem livres em Portugal após libertação de mais três

Mais três linces ibéricos foram hoje libertados no Alentejo, subindo para 16 o número de exemplares da espécie que vivem livres na natureza em Portugal, segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).
Num comunicado enviado à agência Lusa, o ICNF explica que os três linces hoje libertados, no Parque Natural do Vale do Guadiana, no concelho de Mértola, no distrito de Beja, são as fêmeas Mesquita e Malva e o macho Mel, cujos nomes foram escolhidos pela população e homenageiam o património local.
Os três animais nasceram na primavera de 2015 e têm nomes iniciados pela letra “M” por uma razão de identificação e um emissor que permite segui-los e monitorizar os seus movimentos no terreno, explica o ICNF.
Com a libertação hoje de Mesquita, Malva e Mel subiu para 16 o número de linces ibéricos a viverem livres na natureza no concelho de Mértola desde Dezembro de 2014, quando começou a libertação de exemplares da espécie em território português, no âmbito do projecto de Recuperação da Distribuição Histórica do Lince-Ibérico em Espanha e Portugal “LIFE+Iberlince”.
No âmbito da 2.ª época de reintrodução da espécie em Portugal, que prevê a libertação de um total de nove linces-ibéricos este ano no concelho de Mértola, já foram libertados sete animais, ou seja, Mesquita, Malva e Mel, hoje, as fêmeas Myrtilis e Mirandilla e o macho Monfragüe, no dia 25 de Janeiro, e a fêmea Macela, no dia 08 de Fevereiro.
No âmbito da 1.ª época de reintrodução da espécie em Portugal, que arrancou em Dezembro de 2014 e decorreu até maio de 2015, foram libertados, no concelho de Mértola, 10 linces-ibéricos, mas só 09 estão vivos, já que, em Março do ano passado, a fêmea “Kayakweru”, que tinha sido libertada no mês anterior, foi encontrada morta por envenenamento.
Segundo o ICNF, o projecto de Recuperação da Distribuição Histórica do Lince-Ibérico em Espanha e Portugal “LIFE+Iberlince” reuniu esforços de parceiros institucionais e da sociedade civil para “conseguir o retorno da espécie a várias áreas da Península Ibérica” e também “novas oportunidades de revitalização destes territórios”.
Actualmente, o lince é “uma espécie emblema e chave dos ecossistemas” e a sua conservação “beneficia muitas outras espécies selvagens e potencia actividades humanas, que conciliam o uso e a preservação de habitats naturais”, refere o ICNF, frisando que “a reintrodução é um programa de longo prazo, que requer um reforço regular de animais e apoio da sociedade”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close