DGArtes apoia com 20 mil euros o XII Ciclo de Música Contemporânea da Guarda

A Direcção-Geral das Artes (DGArtes) vai apoiar 15 projectos, num montante global de 450 mil euros, no âmbito do programa de apoios pontuais para 2017 no domínio da programação.
Os resultados finais do “Programa de Apoio Direto para Projetos Pontuais” no domínio da Programação foram divulgados Quinta-feira no ‘site’ da DGArtes: dos 15 projetos artísticos selecionados, cinco serão financiados em 20 mil euros, outro cinco em 30 mil euros e os restantes cinco em 40 mil euros.
Com 20 mil euros serão financiados o XII Ciclo de Música Contemporânea da Guarda (Síntese-Grupo de Música Contemporânea), a 25.ª Quinzena de Dança de Almada (da Companhia de Dança de Almada), o XI Festival Internacional de Percussão Tomarimbando (Sociedade Filarmónica Guladim Pais), o Spectrum (Hélice Fotógrafos que Usam Fotografia) e o Encontrarte Amares 2017 (CDRC Amarense).
Para receber o financiamento de 30 mil euros, foram seleccionados o Jardins Efémeros (Pausa Possível – Associação Cultural e de Desenvolvimento), o Verão Clássico 2017 (DSCH – Associação Musical), a Boca – Biennial of Contemporary Arts (Boca Associação Cultural), o Festival Y#13 – Festival de Artes Performativas 2017 (Quarta Parede – Associação de Artes Performativas da Covilhã) e o Festival AR – Festival de Artes Performativas para Crianças e Jovens na Região de Coimbra (O Teatrão).
Com 40 mil euros serão financiados o Circular Porta-Jazz (Associação Porta-Jazz), a Bienal Internacional de Arte de Cerveira: 40 anos que projetam o futuro (Fundação Bienal de Artes de Cerveira), o Festival de Teatro de Viana do Castelo (Teatro do Noroeste – Centro Dramático de Viana), o Festival Zona Não Vigiada (Associação Cultural Zona Não Vigiada) e o CITEMOR – 39.º Festival de Montemor-o-Velho (CITEC – Centro de Iniciação Teatral Esther de Carvalho).
Os resultados divulgados na passada são referentes ao concurso aberto em Abril, «no seguimento do qual foram apreciadas 93 propostas». «Face ao mesmo programa aberto em 2016, esta linha de financiamento teve em 2017 um acréscimo de 180 mil euros, o que possibilitou apoiar mais quatro projetos artísticos com concretização entre Maio 2017 e Setembro 2018», refere a DGArtes.
Os projetos selecionados «consubstanciam prioridades estratégicas, definidas pela DGArtes, como a organização de festivais, mostras, ciclos ou outros eventos equiparados, que visem a descentralização da programação de artistas portugueses ou residentes em Portugal e a dinamização da oferta cultural em todo o território de Portugal continental».
Dos 15 projectos apoiados, um é da região do Alentejo, cinco da região de Lisboa e Vale do Tejo, outros cinco da região Centro e os quatro restantes da região Norte. No que diz respeitos às áreas, seis são de Cruzamentos Disciplinares, cinco de Música, um de Artes Plásticas, outro de Fotografia e um outro de Teatro.
A DGArtes refere que é «prioridade estratégica deste programa de apoio a articulação com as áreas sectoriais da educação e da cidadania e igualdade integrando valências educativas, inclusivas e de formação de públicos para as artes junto da comunidade local, preferencialmente em articulação com instituições sociais ou de ensino».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close