Direção-Geral do Ensino Superior adia concurso nacional de acesso

Os prazos para a apresentação das candidaturas ao concurso nacional de acesso ao ensino superior foram adiados de forma a acompanhar as alterações nos calendários dos exames de secundário devido à pandemia de covid-19, anunciou hoje a tutela.
Segundo uma nota da Direção-Geral do Ensino Superior, os finalistas do secundário vão poder apresentar as candidaturas à primeira fase do concurso entre 07 e 23 de agosto e os resultados só serão publicados em 28 de setembro.
Já a segunda fase do concurso é adiada para o período entre 28 de setembro e 09 de outubro, com a publicação dos resultados em 15 de outubro.
O novo agendamento do calendário acompanha a decisão do Governo, anunciada hoje pelo primeiro-ministro, António Costa, em adiar a realização dos exames nacionais do ensino secundário – a primeira fase entre 06 e 23 de julho e a segunda entre 01 a 07 de setembro.
Apesar das alterações nos prazos do concurso nacional de acesso, que segundo a tutela representa 77% dos ingressos neste nível de ensino, as datas de início e fim dos períodos letivos são definidas pelas instituições de ensino superior.
À agência Lusa, tanto o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) como o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) manifestaram apoio à decisão do Governo, reforçando a disponibilidade para ajustar as datas do início do próximo ano letivo.
“Podemos estar a falar da publicação de resultados da primeira fase para o final de setembro, o que significa, face ao ano passado, adiar cerca de três a quatro semanas e isso é perfeitamente acomodável”, disse à Lusa o presidente do CCISP, Pedro Dominguinhos, antes de serem conhecidas as alterações no concurso nacional de acesso.
António Fontaínhas Fernandes, do CRUP, sublinhou que os reitores transmitiram ao executivo desde o início disponibilidade para alterar o calendário letivo, caso fosse necessário adiar os exames de secundário, considerando que o interesse dos alunos, incluindo dos novos, é uma prioridade das instituições.
Também o Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) aplaudiu a decisão do Governo, que reflete as reivindicações do sindicato para a manutenção do modelo de acesso atual, assente nos exames nacionais.
Gonçalo Leite Velho acrescentou ainda que não é a primeira vez que os exames do secundário se realizam tardiamente e, por isso, esta não é uma situação estranha ao ensino superior.
Além das alterações no calendário dos exames de 11.º e 12.º ano, o primeiro-ministro anunciou também que o regresso às escolas depois de abril só será equacionado para os alunos destes anos de escolaridade.
O Governo decidiu em março encerrar todas as escolas e desde 16 de março que o ensino passou a ser feito à distância. Em casa, estão cerca de dois milhões de crianças e jovens que frequentavam desde creches a estabelecimentos de ensino superior.
O Governo decretou no final do mês passado o estado de emergência, que foi prorrogado por mais 15 dias, por causa da disseminação do novo coronavirus que já fez mais de 400 mortos e infetou quase 14 mil pessoas em Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close