Direcção do PSD propõe eleições directas para 28 de Maio e Congresso deverá ser entre 1 e 3 de Julho

A direcção do PSD vai propor que as eleições directas para escolher o próximo presidente do partido se realizem em 28 de Maio e o 40.º Congresso social-democrata poderá decorrer entre 1 e 3 de Julho, no Porto.

Fontes presentes na reunião disseram à Lusa que a proposta da Comissão Política Nacional que será votada no Conselho Nacional extraordinário da próxima segunda-feira, em Ovar (Aveiro), prevê que uma eventual segunda volta das eleições directas – caso existam mais do que dois candidatos e nenhum obtenha 50% dos votos – se realize em 4 de Junho.

A data e o local do Congresso terão de ser confirmados consoante a disponibilidade de espaços, segundo as mesmas fontes, e estão também sujeitas a aprovação do Conselho Nacional.

O actual presidente do PSD, Rui Rio, já tinha anunciado no início de Fevereiro que deixaria a liderança do partido e não se recandidataria na sequência da derrota nas legislativas de 30 de Janeiro.

Na altura, Rio – que preside ao PSD desde Janeiro de 2018 e cujo mandato terminaria em Dezembro de 2023 – manifestou a vontade de que a sua sucessão decorresse com «tranquilidade e serenidade» até ao final de Junho ou início de Julho.

A versão final dos regulamentos e do cronograma das eleições directas e do Congresso deverá ser enviada aos conselheiros nacionais no sábado, e terá de contemplar o prazo limite para a apresentação de candidaturas e de pagamento de quotas, por exemplo.

Na ordem de trabalho do Conselho Nacional da próxima segunda-feira está a “aprovação da proposta da Comissão Política Nacional sobre antecipação da eleição direta do Presidente da Comissão Política Nacional e consequente marcação do Congresso Nacional do PSD” e a aprovação do Regulamento da eleição do Presidente da Comissão Política Nacional e do 40.º Congresso Nacional.

As últimas eleições directas para eleger o presidente do PSD realizaram-se em 27 de Novembro do ano passado e foram disputadas entre Rui Rio e Paulo Rangel, que o actual presidente venceu por cerca de 52,4% dos votos, tendo o Congresso decorrido entre 17 e 19 de Dezembro em Santa Maria da Feira (distrito de Aveiro).

Dos 46.664 militantes em condições de votar, fizeram-no 36.476, uma taxa de participação de cerca de 78%.

Por enquanto, ainda não há nenhum candidato assumido à liderança do PSD – a marcação das eleições diretas é normalmente o pontapé de saída do processo -, mas é praticamente certo que o antigo líder parlamentar Luís Montenegro avançará.

O atual presidente da Câmara de Aveiro, Ribau Esteves, admitiu estar em ponderação sobre uma possível candidatura, tendo remetido uma decisão para depois de definido o calendário eleitoral.

Paulo Rangel, Miguel Pinto Luz, Miguel Poiares Maduro ou Jorge Moreira da Silva são outros potenciais candidatos que ainda não admitiram ou afastaram essa hipótese, e o presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, continua a ser um nome desejado por alguns dirigentes já nas próximas directas, apesar de o próprio ter afirmado publicamente a sua prioridade à autarquia da capital.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close