Eduardo Lourenço considera Luís Sepúlveda «um autor de craveira mundial»

O escritor chileno Luís Sepúlveda confessou ter recebido com «uma emoção muito especial» o Prémio Eduardo Lourenço 2016, que lhe foi entregue Sexta-feira numa sessão realizada na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, da Guarda.
O prémio, no valor de 7.500 euros, foi instituído em 2004 pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI), com sede naquela cidade, e destina-se a galardoar personalidades ou instituições com intervenção relevante no âmbito da cooperação e da cultura ibérica.
Na sessão solene, o homenageado disse que, ao receber o galardão, sente «uma emoção muito especial», por ter o nome de Eduardo Lourenço.
«Este prémio tem para mim um significado muito especial e muito emotivo. É um prémio de uma emoção muito especial e só me resta dizer muito obrigado», declarou.
Em declarações aos jornalistas, disse ainda que estava «muito contente» por considerar «uma grande honra receber um prémio com o nome de Eduardo Lourenço, um dos pensadores e dos intelectuais» que admira.
Luís Sepúlveda, que vive atualmente em Gijon, Espanha, é autor de livros como, entre outros, “O Velho Que lia Romances de Amor” e “História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar”.
O jornalista Fernando Paulouro Neves, que propôs o nome de Luís Sepúlveda ao Prémio Eduardo Lourenço, disse na sessão que a obra do escritor se ajusta «como poucas» ao patrono do galardão.
No entender de Eduardo Lourenço, «o escritor escolhido é um grande escritor de reputação mundial. Portanto, é de facto muito grato, que a comissão [o júri do prémio] o tenha escolhido a ele, entre outras pessoas [contempladas em anos anteriores], para receber este prémio», disse aos jornalistas, no final da cerimónia da entrega do prémio.
O ensaísta disse ainda que Luís Sepúlveda é «um autor de craveira mundial». «O que é que eu posso dizer mais?», rematou.
«Comoveu-me muito esta ideia de que, num certo ano, quando eu fui para Hamburgo, que lhe ofereceram o meu livrinho que tinha acabado de sair há pouco tempo. Esta história para mim é totalmente inédita e quase incompreensível, parece uma história da “Carochinha”, mas é uma história muito bonita», afirmou.
Eduardo Lourenço referia-se ao episódio contado por Luís Sepúlveda que, quando esteve no exílio, em Hamburgo, um amigo lhe ofereceu o livro “Heterodoxia”, da sua autoria, publicado em 1949, que tinha sido escrito «por um professor de Português», que passara por aquela universidade.
Durante a cerimónia de entrega do galardão, o presidente da Câmara local, Álvaro Amaro, disse que o galardoado é «um cidadão do mundo» e anunciou que, em 2017, além deste prémio, o Centro de Estudos Ibéricos irá atribuir um outro denominado Prémio CEI Investigação, Inovação e Território, que terá como objectivo «distinguir a investigação inteligente, a inovação e o empreendedorismo».
O prémio, com um total de 5.000 euros, premiará duas modalidades – uma de investigação e outra de inovação e território, cada uma com a verba de 2.500 euros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close