Eleições para a Federação do PS/Guarda poderão vir a ser repetidas

A Comissão Federativa de Jurisdição (CFJ) do PS/Guarda decidiu na passada Sexta-feira que deveriam ser repetidas as eleições, ocorridas uma semana antes, para a escolha do presidente da Federação e dos delegados ao congresso. Foi a resposta ao pedido formulado por Eduardo Brito (ex-autarca de Seia), o candidato que abandonou a corrida à presidência da Federação no próprio dia do sufrágio, por considerar «não estarem reunidas as condições democráticas necessárias à realização do acto eleitoral». Em causa esteve a rejeição de seis listas de candidatos a delegados ao congresso. António Saraiva, antigo líder da Concelhia da Guarda, viria, por isso, a ser o único candidato à sucessão de José Albano Marques na presidência da Federação Distrital.
Como o TB avançou na edição online, na segunda reunião do CFJ (a primeira não foi conclusiva), o presidente daquele órgão federativo, Carlos Martins, teve de usar o voto de qualidade para desempatar a decisão, uma vez que houve três votos a favor da repetição do acto eleitoral e outros tantos contra. De recordar que apenas António Saraiva concorreu para a sucessão de José Albano na liderança da Federação Distrital.
A data do repetição das eleições terá agora que ser escolhida pelo órgão competente, como decidiu a CFJ. Nada disto deverá ser necessário se António Saraiva decidir recorrer para a Comissão Nacional de Jurisdição e esta opte por anular a decisão da CFJ.
De recordar que António Saraiva foi eleito no passado dia 4 para o cargo até então desempenhado por José Albano, num acto eleitoral que ficou marcado pela polémica após o outro candidato, Eduardo Brito, ex-presidente da Câmara Municipal de Seia, ter desistido. Dos 1.349 militantes inscritos nos 14 concelhos do distrito da Guarda votaram 571, tendo o único candidato obtido 524 votos. Os militantes da secção de Trancoso não votaram porque a sede não abriu as portas.
Apesar de polémica, o novo presidente da Federação Socialista prometeu trabalhar para unir o partido no distrito e fazer do PS «a maior força partidária» nas eleições autárquicas de 2017. António Saraiva, que substitui José Albano Marques, que liderou o partido no distrito da Guarda desde 2008 e não se recandidatou ao lugar, anunciou que nos próximos dois anos vai trabalhar para «ver o partido unido e coeso».
A eleição de António Saraiva, ex-líder da Concelhia da capital do distrito, fica, contudo, envolta em polémica. O seu adversário, Eduardo Brito desistiu por considerar «não estarem reunidas as condições democráticas necessárias à realização do acto eleitoral». Em causa está o facto de a Comissão Organizadora do Congresso (COC) ter excluído as listas de candidatos a delegados do congresso das concelhias de Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda e Manteigas. «Uma atitude violadora dos mais elementares princípios de um Estado de Direito», considerou o ex-candidato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close