Escolas do distrito divididas na realização das provas de aferição

SONY DSC

Os agrupamentos de escolas do distrito seguem a tendência nacional marcada pela divisão na realização das provas de aferição, cuja decisão o Ministério da Educação colocou nas mãos dos estabelecimentos de ensino. A tutela anunciou este Sábado que 57 por cento das escolas responderam que pretenderam realizar aquelas provas dos 2.º, 5.º e 8.º anos de escolaridade. As escolas tinham até à passada Sexta-feira para comunicarem a decisão ao Júri Nacional de Exames (JNE) a realização ou não das provas, que este ano terão carácter facultativo.
Os dados recolhidos pelo Sindicato dos Professores da Região Centro (SPRC) apontam para que a realidade no distrito da Guarda se aproxime da média nacional. Em cerca de 60 por cento das escolas irão ser feitas as provas de aferição. A decisão foi tomada após parecer dos respectivos conselhos pedagógicos. Sofia Monteiro, dirigente distrital do SPRC, destaca neste processo o facto de ter sido dada liberdade de escolha às escolas. Entende ter sido «positivo» o facto de no âmbito da autonomia das escolas cada ter tido a possibilidade de decidir em função das condições e do trabalho que já tinha preparado a contar com a realização das provas. «Está correcto. Permitiu que não se perdesse o esforço que já tinha sido feito. E não haverá prejuízo para as escolas que queiram avaliar e aferir a necessidade de mais apoio», sustenta.
Entre os estabelecimentos que decidiram não realizar as provas estão os dois agrupamentos de escolas da capital de distrito. Os alunos dos Agrupamentos da Sé e de Afonso de Albuquerque, da Guarda, não terão que realizar aquelas provas.
Já os agrupamentos de escolas de Almeida e de Trancoso são exemplos de estabelecimentos que optaram por realizar as provas. Em Trancoso, as provas marcadas para a última semana de aulas serão realizadas por cerca de 160 alunos dos três anos de escolaridade. Rui Ribeiro, vice-presidente do Agrupamento, explicou ao TB que o facto de ser uma decisão facultativa «não criou qualquer problema à escola», defendendo que até é preferível haver liberdade de escolha do que ser «imposto». O director do Agrupamento de Escolas de Almeida não quis dar explicações sobre a decisão de serem realizadas as provas.
Em Março, ao anunciar a aprovação em Conselho de Ministros do novo modelo de avaliação, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, afirmou que as escolas podiam decidir não realizar este ano as provas de aferição, desde que fundamentem essa decisão. Para o ano as provas passam a ser obrigatórias.
As provas de aferição para as escolas que decidiram fazer estão marcadas para 6 e 8 de Junho. Os alunos do 2º ano vão fazer uma prova de Português com componente de Estudo do Meio no dia 6 e outra de Matemática com componente de Estudo do Meio no dia 8. Para os alunos do 5º e 8º anos as provas de Português são a 6 de Junho e a Matemática no dia 8.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close