Este Natal, ofereça empatia

Há uns dias, houve (mais) um surto de COVID-19 num lar, desta vez na nossa cidade. Uma situação angustiante e dramática, dada a idade e fragilidade das pessoas que se encontram nestas instituições. No espaço (numa utilização extensiva da palavra) onde atualmente quase tudo se passa, o Facebook, foram feitos apelos para doação de equipamentos de proteção individual. Fui ler a caixa de comentários. Entre várias demonstrações de preocupação, apoio e solidariedade, surgiram não infrequentemente comentários sarcásticos e depreciativos no conteúdo, ainda que estéreis na forma.

Este microacontecimento é reflexo de um fenómeno muito maior e confortavelmente instalado nas redes sociais: o comentário de gatilho fácil e sem contraditório, para expiação digital de frustrações e gáudio momentâneo de quem escreve.

Não estou, de todo, a defender uma menor participação ou expressão nas redes, físicas ou digitais. Mas podemos, todos, procurar elevar a sua qualidade e utilidade.
Este episódio, que me tocou pessoalmente, levou-me a alguma reflexão. Qual o objetivo de um comentário numa rede social, sobretudo em temas ou assuntos que não se circunscrevem ao círculo de amigos/conhecidos mas à comunidade em que me integro? Espero alguma mudança (idealmente positiva) ao escrever? Ajudarei alguém? Promoverá justiça? Difundirá uma causa com a qual me identifico?… É sequer factual?

Sobre este assunto, parece-me interessante partilhar ainda o conselho de um conceituado professor da minha faculdade, que ouvi numa das primeiras aulas do curso e que ainda hoje guardo, apesar de nem sempre cumprir – antes de dizermos qualquer coisa, devemos contar até dez e dizê-lo apenas se, após esse compasso de espera, continuar a fazer sentido. Poderá ser útil fazer o mesmo antes de carregar no enter.

Legitimamente, pode o leitor perguntar como se relacionam estes parágrafos mal amanhados com a empatia ou o Natal.

Ora, o espírito Natalício, fecundo em bons sentimentos, é um momento particularmente propício a colocarmo-nos no lugar do outro. Compreendendo a sua situação, poderemos mais facilmente debruçarmo-nos (e agirmos!) sobre cada assunto a partir de uma nova perspetiva. No fundo, sermos empáticos. E podemos sê-lo também na esfera digital.

O ano que em breve termina foi muito diferente e incomparavelmente exigente, abanou grande parte do que dávamos por garantido e forçou, pela saúde de todos e pela capacidade de resposta de cada um dos serviços de saúde, ao afastamento físico das pessoas com prejuízo das relações pessoais. Após esta experiência coletiva, assistir à normalização do insulto gratuito, da crítica infundamentada e da insinuação fácil é deixar que o lado menos bom de cada um de nós vença. Por isso, à boleia do Natal e de um novo ano que em breve começa, podemos, no contacto com quem nos cruzarmos – num passeio, mas também numa caixa de comentários – ou na comunidade em que nos inserimos, agir de forma positiva e construtiva – oferecendo empatia – movidos pela tolerância e não recorrendo ao mero comentário sem impacto positivo lançado do conforto do nosso sofá.
E, terminando com uma nota positiva, parece que ser empático é como andar de bicicleta e fica mais fácil à medida que o fazemos1. Vamos pedalar?

1 Hein, G., Engelmann, J., Vollberg, M., & Tobler, P. (2016, January 05). How learning shapes the empathic brain. Retrieved December 07, 2020, from https://doi.org/10.1073/pnas.1514539112

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close