Fecho da Rohde há dez anos agravou efeitos da interioridade em Pinhel

O fecho da fábrica de calçado Rohde, a 30 de Abril de 2006, constituiu uma «desgraça» social e económica para o concelho de Pinhel e agravou os efeitos da interioridade naquele município do distrito da Guarda.
A Rohde – Sociedade de Calçado Luso-Alemã, que funcionou durante mais de 15 anos, justificou o encerramento com a crise internacional, de especial acuidade na Alemanha, país importador da maioria do fabrico da unidade, que provocou um decréscimo substancial das encomendas, tornando necessário o recurso a vários processos de “lay-off” nos anos de 2004 e 2005.
O fecho da unidade fabril lançou no desemprego 372 trabalhadores, a maioria mulheres, e constituiu uma verdadeira «tragédia» para aquele município do Interior do país. António Ruas, que em 2006 desempenhava as funções de presidente da Câmara Municipal de Pinhel, afirma que, no tocante à Rohde, «depois da bonança», surgiu «a tragédia».
Segundo o ex-autarca social-democrata, durante alguns anos o concelho de Pinhel foi detentor «do maior empregador distrital», pois aquela unidade fabril possuía «cerca de 1.000 trabalhadores». Quando, «abruptamente», a empresa «anuncia o despedimento colectivo dos seus operários», foi um «grande choque, uma grande revolta, reuniões e mais reuniões e uma mão cheia de nada. Grandes preocupações, constrangimentos, grandes interrogações. E o que fazer? Sentimo-nos impotentes e destroçados», lembra o ex-autarca em declarações à agência Lusa.
António Ruas refere que muitas famílias do concelho de Pinhel ficaram sem emprego e perderam os postos de trabalho dos quais «dependia a sobrevivência e a educação dos filhos, para além dos compromissos assumidos com a banca». «Ouvimos choros, desespero, revolta, muitas lágrimas» que corriam por rostos «de sofrimento e angústia», diz, acrescentando que, na época, enquanto presidente da autarquia, tentou «minimizar toda esta desgraça», com a ajuda dos técnicos municipais e do Centro de Emprego e Formação Profissional local.
Apesar do trabalho realizado, o ex-presidente da Câmara Municipal reconhece que não foi possível «minimizar as consequências» do encerramento da maior unidade empregadora do seu concelho. O fecho da fábrica de calçado aumentou «drasticamente o desemprego» em Pinhel e diminuiu «drasticamente a população quotidiana em cerca de 15%». Lembra que assistiu a serviços e a comércios que encerraram ou diminuíram «drasticamente o seu volume de vendas» e nas ruas da cidade deixou «de ver o movimento de pessoas» a que estava habituado.
António Ruas também passou a observar «uma cidade dorida» e «um concelho entristecido». «Volvidos estes anos, os pinhelenses conseguiram sarar as feridas e continuam a olhar em frente com a determinação e a vontade de terem um concelho feliz e desenvolvido», assume o ex-autarca.
Em 2011, a Câmara Municipal de Pinhel comprou as antigas instalações da fábrica Rohde, que transformou em Centro Logístico, onde passou a realizar a Feira das Tradições, um evento anual que divulga as potencialidades económicas locais. Em dois pavilhões da antiga unidade fabril de calçado estão actualmente a laborar duas fábricas do mesmo setor, que empregam cerca de 70 pessoas. Segundo o actual presidente da autarquia, Rui Ventura, no mesmo espaço vai instalar-se este ano uma nova fábrica de calçado que irá criar, logo no início da actividade, 100 postos de trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close