Fenprof e FNE convocam greve nacional de professores para 5 de Novembro

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e a Federação Nacional da Educação (FNE) anunciaram hoje que vão convocar uma greve nacional de professores para o dia 5 de Novembro, uma semana antes da greve nacional da função pública.

Em comunicado, a Fenprof refere que a greve de professores e educadores acontece no mesmo dia em que o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, estará no parlamento para debater a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). Outros sindicatos de professores vão também convocar greve para o mesmo dia, como a Associação Sindical de Professores Licenciados e o Sindicato Nacional dos Profissionais de Educação.

As duas principais federações sindicais representativas dos professores justificam a greve precisamente com o OE2022, que dizem ignorar os problemas do sector, designadamente, questões que afectam a carreira docente e também os trabalhadores não docentes.

«Mais uma vez, e agora de uma forma ainda mais gravosa, o Orçamento do Estado esquece a educação, as escolas, os alunos e os professores», escreve a FNE em comunicado, acusando o executivo de prosseguir «uma política de falta de investimento na Educação».

Concretamente, a Fenprof e a FNE defendem que a verba para a Educação prevista no próximo orçamento suba dos actuais 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) para 6%.

Sobre os problemas do sector, a FNE refere como exemplo medidas com vista à atractividade da profissão, que combatam o excessivo desgaste associado à profissão docente.

Já a Fenprof quer respostas à falta de professores, a recuperação do tempo de serviço, a eliminação do regime de vagas, alterações aos regimes de avaliação de desempenho e aposentação, a melhoria das condições gerais de trabalho, designadamente no que respeita aos horários, e a revogação do processo de municipalização. Por outro lado, os representantes dos professores exigem também reunir com o Ministério da Educação para discutir o documento, uma vez que não estão previstos quaisquer encontros.

Aquilo que descrevem como um «bloqueio negocial» por parte da tutela levou até uma delegação da Fenprof de cerca de 20 pessoas a concentrar-se na terça-feira em frente ao edifício do Ministério da Educação, onde permaneceram durante cerca de oito horas.

Sobre esta questão, a FNE escreve que, no seu entender, é «incontornável a concretização de um efectivo diálogo social no sector da Educação, com o reconhecimento do direito à participação das organizações sindicais na determinação e acompanhamento das políticas educativas», e avança que antes mesmo da greve, no dia 3, vai entregar no ministério uma carta crítica sobre o orçamento.

Nos dias 22 e 23 de Outubro, a Fenprof realiza uma reunião do Conselho Nacional, em que estarão em cima da mesa acções e formas de luta adicionais. A greve de professores e educadores já anunciada antecede a greve nacional da função pública convocada pela Frente Comum para o dia 12 de Novembro.

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close