Festivais da Serra da Estrela, Beiras e Raia Histórica animam 15 municípios

Com o objectivo de captar mais turistas para o território, a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) vai organizar três festivais culturais que integram a realização de espectáculos em 15 municípios. A programação cultural em rede da CIM-BSE para 2021/2022 visa promover a itinerância e o intercâmbio cultural de eventos entre os 15 municípios do seu território e surge com o objectivo de continuar e consolidar o trabalho desenvolvido no âmbito da operação realizada em anos anteriores com a iniciativa Cultura em Rede das Beiras e Serra da Estrela.

A organização anunciou, em conferência de imprensa, que os projectos iniciam-se em Maio e terminarão em Outubro de 2022, tendo uma duração de 18 meses. Segundo o vice-presidente da CIM-BSE, António Machado, que também preside ao município de Almeida, a iniciativa «marca um caminho de afirmação» da Comunidade Intermunicipal no trabalho em rede.

O responsável referiu que o território «precisa de eventos diferenciadores» para atrair visitantes e assume que tem “grande expectativa” no resultado final de um investimento global de cerca de 900 mil euros, sendo 300 mil euros por cada projecto.

O primeiro secretário executivo da CIM-BSE, António Ruas, explicou que serão desenvolvidos três projectos culturais – Festival Cultural da Serra da Estrela, Festival Cultural das Beiras e Festival Cultural da Raia Histórica – que abrangem cinco municípios cada, e que terão como líderes os municípios de Figueira de Castelo Rodrigo, Seia e Sabugal.

A iniciativa visa desenvolver projectos artísticos em coprodução nas várias áreas artísticas com o envolvimento dos artistas e agentes culturais locais e da comunidade, assumindo as associações um papel importante no processo. Os festivais são co-financiados pelo Centro 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

No encontro com os jornalistas foi também anunciada a realização, numa parceria da CIM-BSE e da candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura 2027, do evento “CIMfonia”, que inclui 17 concertos itinerantes dirigidos por orquestras nacionais, que irão percorrer todo o território das Beiras e Serra da Estrela e ainda os municípios de Aguiar da Beira e de Vila Nova de Foz Côa, entre os meses de maio e novembro.

A Orquestra Filarmónica Portuguesa e Raquel Camarinha estreiam na Guarda, a 9 de Maio, o palco da “CIMfonia”, seguindo-se concertos pelos restantes municípios. Também será realizada uma “Bolsa Artística para a Itinerância Cultural”, que assenta num conceito de colaboração e cooperação entre os municípios que compõem a CIM-BSE, que se unem com o desígnio de afirmar a cultura identitária das Beiras e Serra da Estrela.

As bolsas artísticas «não só visam incrementar a economia local e dar um novo alento aos agentes culturais locais, mas também promover uma maior participação da comunidade na vida cultural, na formação de novos públicos e na itinerância de espectadores que fortalecem os laços comunitários a nível intermunicipal». A iniciativa abrange três fases, sendo a última a de apresentação de 75 espectáculos (cinco por município).

A CIM-BSE, que tem sede na cidade da Guarda, é constituída por 15 municípios, sendo 12 do distrito da Guarda (Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e Trancoso) e três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close