Festival de Bandas de Rua regressa a Famalicão

Fanfarronada – Festival de Bandas de Rua está de regresso a Famalicão da Serra, aldeia do concelho da Guarda, «para tentar reeditar o sucesso das duas primeiras edições – em 1999 e 2013 – e proporcionar mais uma noite de animação» a quem queira participar na festa, marcada para este Sábado a partir das 18h00.
«Em ano de bodas de prata», o Centro Cultural de Famalicão da Serra, fundado em 5 de Março de 1991, reedita um evento «que é também uma homenagem ao seu projecto mais emblemático – Fanfarra NemFáNemFum, cuja ideia foi lançada há exactamente vinte anos e que mantém, além de grande parte da formação original, a irreverência e o espírito 100 por cento amador e amante da música, que estiveram na sua génese», explica em nota de imprensa.
A Fanfarra NemFáNemFum representa, «no nosso país, uma das primeiras manifestações daquilo que já é sólido na Europa do Norte – a banda de rua, pequeno grupo de 5 a 9 músicos, que tocam um repertório variado de êxitos populares e música tradicional, numa apresentação animada e muitas vezes teatral, uma constante na maior parte de celebrações de arte ao ar livre». Formada em 1996 em Famalicão da Serra, teve a sua primeira apresentação pública em Maio do ano seguinte, «sendo, na altura, um dos primeiros grupos de rua em todo o país». «Desde então, estas quase duas décadas de actividade levou-os a percorrer grande parte do país e a participar nalguns eventos no estrangeiro, somando nesta fase do projecto mais de 300 espectáculos», resume a organização.
Para além da Fanfarra NemFáNemFum, «que fará as honras da casa», a Fanfarronada vai contar com a participação de mais quatro formações: Fanfarralhados, FarraFanfarra, Alta Cena, e Fanfarra Fárróbódó, «que prometem encher o Largo da Praça de boas vibrações» a partir das 21h00.
O grupo Fanfarralhados é composto por jovens que estudam música na EPABI – Escola Profissional de Artes da Beira Interior. Surgiu aproximadamente há dois anos e apresenta-se normalmente com entre oito e dez elementos. O interesse comum em jazz e improvisação fez com que este grupo começasse a partilhar algumas experiências e convívios. O reportório é ensaiado muitas das vezes em véspera das actuações com ideias apresentadas e vídeos observados, prescindindo de alguém na sua direcção (maestro ou ensaiador), informa o grupo.
Os FarraFanfarra descrevem-se como um colectivo de músicos e animadores, altamente especializados na euforia colectiva e na transmissão de energias positivas através da música acústica e do poder dos instrumentos de sopro e percussão. Capazes de levar a força e alegria da música a todos os contextos e situações, contam já com três anos de rua, pequenos e grandes palcos, carrinhas, festivais, rodas gigantes, descapotáveis, desfiles e comemorações. A força do ritmo partilha o palco com variados números de circo, tornando cada actuação num acontecimento único e imprevisível.
Bombos, caixas, timbales, pratos, tubas e trombones, congas e tochas, trompetes, clarinetes, megafones e escovas de dentes, saxofones altos e tenores, capacetes, e barítonos, constituem a parafernália instrumental da banda.
Alta Cena diz que se formou em minutos, em plena Rua do Carmo, na cumplicidade de um olhar, tendo por denominador comum a música. Foi assim que músicos, de várias partes do mundo (Portugal, Brasil, Cabo Verde e Espanha), que não se conheciam antes, experimentaram os primeiros acordes. Havia que começar por algum estilo musical e foi o Jazz o escolhido. A partir daí têm percorrido outras sonoridades centradas em ritmos latino-americanos, africanos e, obviamente, portugueses.
Farróbódó, escreve na sua página oficial, é um grupo de músicos profissionais fundado em 2014 e constituído por instrumentos de sopro, percussão e cordas. Os espectáculos são de variados tipos, desde a animação de rua, concertos em palco, recintos fechados, festas privadas, entre outros; com um repertório variado de música de todo o mundo. Caracterizam-se pela versatilidade e animação que contagia todos os seus ouvintes, com um vestuário e música singular. Em 2014 vencem do Brass D’Ferr Torneio de Fanfarras e Orquestras.
No final de todas as apresentações, a festa continua com o DJ Scratch my balls.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close