Filme de Oliver Laxe “O Que Arde” vence 26.ª edição do festival CineEco de Seia

A obra cinematográfica “O Que Arde”, de Oliver Laxe, é a vencedora do 26.º CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, que hoje terminou em Seia e que contou com o apoio do Jornal Terras da Beira.

O filme de Oliver Laxe (Espanha e França), que concorreu na Competição Internacional de Longas-Metragens, conquistou o Grande Prémio Ambiente – Município de Seia, anunciou a organização do CineEco em comunicado enviado à comunicação social.

Segundo a fonte, trata-se de “uma parábola rural passada numa aldeia aninhada nas montanhas da Galiza, que se depara com um fogo florestal, após o regresso à comunidade de um condenado. A narrativa está assente na Natureza (a humana e a da terra) que pode destruir ou auto-destruir-se”.

Na mesma categoria, “El Tren de Los Pies Ligeros”, de Miguel Coelho, arrecadou o Prémio Antropologia Ambiental – Zurich Seguros, e a Menção Honrosa coube a Oriane Descout, com “Castelo de Terra”.

Na Competição Internacional de Curtas-Metragens, a animação “Entre Baldosas”, do argentino Nicolas Conte, ficou com o Prémio Curta Metragem Internacional – Turistrela, enquanto a animação portuguesa “O Peculiar Crime do Sr. Jacinto”, da autoria de Bruno Caetano, arrecadou o Prémio Educação Ambiental – Associação Mares Navegados.

Na Competição de Séries e Reportagens Televisivas, o trabalho de Vera Moutinho “Anna Mergulha no Lixo para Combater o Desperdício Alimentar” conquistou o Prémio Televisão.

O Prémio Camacho Costa – Lipor (melhor longa-metragem em língua portuguesa) foi conquistado por Nuno Tavares, com “A Alma de Um Ciclista”, e o Prémio Curta-Metragem em Língua Portuguesa foi para Patrícia Pedrosa com “Vi(r)agens”.

O realizador de Oliveira do Hospital Tiago Cerveira voltou a conquistar o Prémio Panorama Regional – Casa da Passarella, com a “Máscara de Cortiça”.

Já o Prémio Valor da Água – Águas do Vale do Tejo foi atribuído a Henry M. Mix e Boas Schwarz com a obra “On Thin Ice”.

O Júri da Juventude conferiu o Prémio da Juventude Longas-Metragens Internacionais a “The Village and the Wildfire, de Kathrin Reichwald.

O Prémio da Juventude Curta-Metragem Internacional foi para “O Peculiar Crime do Sr. Jacinto”, de Bruno Caetano; o Prémio da Juventude para Série e Reportagem de TV foi conquistado por “Malcata – Conto de uma Serra Solitária”, de Miguel Cortes Costa e Ricardo Guerreiro; o Prémio da Juventude Longa-Metragem em Língua Portuguesa foi para a obra “A Alma de um Ciclista”, de Nuno Tavares; o Prémio da Juventude Curta-Metragem em Língua Portuguesa galardoou “Átomos de Luz”, de Leonor Teixeira; e o Prémio da Juventude Panorama Regional foi conquistado por “Barro Preto, Cultura e Tradição”, de Edmundo Marquês e Vítor Pereira.

Na 26.ª edição do CineEco, que começou no sábado e terminou hoje, em Seia, na Serra da Estrela, o cinema ambiental português “esteve em grande destaque entre as longas e curtas-metragens, representando cerca de metade de todas as obras em competição de entre os 77 filmes e documentários de mais de 25 países, exibidos ao longo de uma semana”, segundo a organização.

O CineEco é organizado pelo município de Seia e conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República e do Departamento de Ambiente das Nações Unidas.

A 27.ª edição do Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela terá lugar de 09 a 16 de Outubro de 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close