Freguesia de Seia admite processar PAN por causa do jogo da “morte do galo”

A União de Freguesias de Carragosela e Várzea de Meruge, em Seia, admite processar o PAN – Pessoas-Animais-Natureza pela denúncia relacionada com a alegada “morte do galo” nas festas locais.
Em carta enviada na Quarta-feira ao deputado e porta-voz do PAN, André Silva, o presidente da União de Freguesas, João Barreiras, refere que a autarquia «exige a retratação pública e o desmentido» da situação «num prazo limite de 48 horas», através dos meios utilizados para efetuar a denúncia. «Caso isso não venha a acontecer, iremos processar o senhor André Silva e o PAN por difamação», refere o autarca na missiva a que a hoje a agência Lusa teve acesso.
O partido anunciou, na Terça-feira, que pretende impedir a prática da “morte do galo”, anunciada para as festas do Santíssimo Sacramento, em Várzea de Meruge, no concelho de Seia, de 08 a 11 de Setembro. Em comunicado, o PAN refere que a prática, em que o galo «é agredido sucessivamente com um pau até morrer», foi denunciada junto do Ministério Público, da Direcção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) e da Câmara Municipal de Seia, no distrito da Guarda.
A autarquia de Seia esclareceu em comunicado que «a prática denunciada pelo PAN trata-se, na realidade, de uma tradição que consiste em partir um ovo com um pau, de olhos vendados, sendo o galo (vivo) o prémio para quem conseguir tal proeza».
A autarquia comprova a tradição da aldeia de Várzea de Meruje com um vídeo onde se vê um jogador, de olhos vendados, a tentar acertar com um pau num ovo que está colocado no solo. «A denominada ‘morte do galo’ é uma tradição das Festas do Santíssimo Sacramento que ocorre na localidade de Várzea de Meruje, concelho de Seia, e que apenas no nome remete para a morte de um animal», sustenta na nota.
O PAN – Pessoas-Animais-Natureza disse hoje à Lusa que mantém a denúncia sobre a “morte do galo” em Seia, apesar de o município esclarecer que consiste em partir um ovo com um pau. «A denúncia mantém-se e as entidades competentes farão aquilo que entenderem e os órgãos de polícia civil farão a sua fiscalização», disse André Silva, deputado e porta-voz do PAN.
Na carta enviada ao PAN, o presidente da União de Freguesias de Carragosela e Várzea de Meruge esclarece que, como entidade responsável pela promoção do evento, a Junta teria de emitir o respectivo alvará e «nunca permitiria tal prática atentatória contra o direito dos animais e contra a Lei». Explica que o jogo em causa «nada mais é do que algo inofensivo e onde os intervenientes, na sua quase generalidade crianças, de olhos vendados e com um pau na mão, tentam partir um ovo, sendo que aquele que o conseguir obtém como prémio um galo vivo». O autarca João Barreiras garante ainda que o jogo, como é descrito pelo PAN, «nunca foi praticado na Freguesia” e “especificamente na localidade de Várzea de Meruge».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close