Fundação Côa Parque nomeia director técnico interino para museu e parque arqueológico

SONY DSC

O presidente do conselho Directivo da Fundação Côa Parque (FC-P) anunciou hoje que o arqueólogo Jorge Sampaio foi nomeado para desempenhar «interinamente» as funções de director técnico do Museu e Parque Arqueológico, até que esteja concluído «procedimento concursal».
O cargo de director técnico vem substituir a “figura” de director do Museu e Parque Arqueológico do Vale do Côa, até aqui foi ocupado pelo arqueólogo António Martinho Batista. «Encontrando-se vago o lugar de responsável técnico-científico do Museu e Parque Arqueológico do Vale do Côa e, tendo-se entretanto desencadeado o processo para o lançamento de um concurso interno, foi deliberado, por unanimidade, designar Jorge Sampaio para desempenhar interinamente as funções, até que esteja concluído o procedimento concursal», explicou à agência Lusa, o presidente da fundação, Bruno Navarro.
Segundo foi dado a conhecer pela FC-P, a ligação do arqueólogo Jorge Sampaio ao Vale Côa iniciou-se em 1995, quando a polémica sobre as gravuras e a construção da barragem estava no seu auge. O arqueólogo fez parte da equipa de investigação que estudava o contexto da arte paleolítica, tendo sempre em mente uma profunda preocupação em estreitar relações com as estruturas associativas locais e regionais. Nos últimos sete anos, a partir da abertura do Museu do Côa, dedicou-se à programação cultural, imagem do Côa e exposições temporárias, colaborando com os Serviços Educativos.
O novo presidente do Conselho Directivo da Fundação Côa Parque já tinha anunciado um conjunto de reuniões sectoriais para analisar as medidas mais urgentes a tomar no Museu e Parque Arqueológico do Vale do Côa, descartando despedimentos. Segundo Bruno Navarro, as medidas, no imediato, passam por rever a segurança dos núcleos arqueológicos do Parque Arqueológico do Vale do Côa e do museu, a renovação da frota de viaturas destinadas às visitas guiadas e a nomeação provisória de um director para o Museu do Côa, até que esteja concluído o processo de concurso público.
Para o novo presidente da fundação, «estão criadas todas as condições» para relançar o projecto arqueológico do Vale do Côa. «Contudo, não há forma de acudir ao futuro da Fundação Côa Parque, sem haver uma injecção de capital por parte das entidades que tutelam a fundação», frisou.
Segundo o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, a acção do Governo é fortalecida, passando a área da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior a ter representação no conselho directivo, da fundação, em estreita articulação com os representantes da Cultura, do Turismo, do Ambiente, da autarquia local e da Associação de Municípios do Vale do Côa.
A arte rupestre do Côa, inscrita na Lista do Património Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), desde 1998, foi uma das mais importantes descobertas arqueológicas do Paleolítico Superior em finais do século XX, em toda a Europa.
Aquando da descoberta da “Arte do Côa”, em 1994, os arqueólogos portugueses asseguraram tratar-se de manifestações do Paleolítico Superior e afirmaram estar-se perante «um dos mais fabulosos achados arqueológicos do mundo».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close