Fundação Côa Parque promete «honrar» legado do presidente

SONY DSC

A Fundação Côa Parque (FCP) e os seus trabalhadores prestaram Domingo um tributo ao malogrado presidente Bruno Navarro, vítima de doença súbita, no Sábado, e comprometem-se a honrar o seu legado, refere um nota disponível no site da FCP.

A nota de tributo está assinada por todos membros do conselho directivo da FCP (Domingos Lopes, Lídia Monteiro e Sandra Naldinho) e por Thierry Aubry, responsável técnico científico da intuição, situada em Vila Nova de Foz Côa.

«A Fundação Côa Parque e os seus colaboradores estão de luto pela perda do seu presidente, pela perda de um líder sonhador, criativo, generoso e um amigo», afirmaram os membros da fundação. Os subscritores do tributo indicam que, em 2017, Bruno Navarro aceitou o cargo de presidente da Fundação Côa Parque e a difícil missão de reintegrar as gravuras do Vale do Côa no clube restrito dos sítios de arte paleolítica da lista do Património Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

«Apesar de estar fora da sua zona de conforto, geográfica e intelectualmente, em menos de três anos conseguiu ser apreciado e chamado a integrar equipas internacionais responsáveis pela gestão e divulgação dos sítios de arte paleolítica», indicam os membros do conselho directivo da FCP.

A mesma missiva lembrou ainda que, em Julho de 2020, Bruno Navarro organizou o regresso de António Guterres ao vale do Côa «e o seu reconhecido mérito na origem da história mais recente daquele território». «Bruno Navarro foi ainda convidado a fazer parte integrante da equipa da Ciência Viva», acrescentaram.

Segundos os promotores do documento, em todo este «percurso foi preciso limpar os trilhos que se tinham perdido e inventar novos caminhos para o Projeto Côa, cujo sonho começou em 1995», recordaram os membros da FCP. «As suas decisões devolveram o protagonismo que esta arte de milhares de anos tem, sendo um testemunho ímpar da nossa humanidade, mas que só se pode plenamente revelar se integrado noutras potencialidades de desenvolvimento sustentável», lê-se no documento

Os subscritores destacaram o espírito empreendedor, irrequieto e visionário e capacidade de agregar diferentes disciplinas, instituições e parceiros, em prol da fundação e do desenvolvimento da região do Côa, de Bruno Navarro. E manifestaram que, actualmente, “a Fundação Côa Parque é uma referência a nível nacional e internacional, sendo um claro motor desta região».

Segundo os seus pares, Bruno Navarro, deixou com uma carteira de projectos ambiciosos e transformadores para a ciência, para a cultura e para o turismo. «Deixa-nos demasiado cedo. Honrar o seu legado caberá a todos e a cada um de nós», vincaram.

No conselho diretivo da FCP estão representadas as áreas governativas da Cultura, Ciência e do Ensino Superior, Turismo e o município de Vila Nova de Foz Côa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close