GNR sinalizou mais idosos a viver sozinhos ou isolados

SONY DSC

A GNR sinalizou 45.516 idosos a viver sozinhos ou isolados em todo o país, mais 2.194 do que na operação “Censos Sénior” realizada em 2016, anunciou Terça-feira aquela força de segurança. Dos 45.516 idosos identificados, 28.279 vivem sozinhos, 5.124 residem em locais isolados e 3.521 vivem sozinhos e isolados, adianta a Guarda Nacional Republicana, num comunicado para divulgar os resultados da operação “Censos Sénior 2017”.
Os militares da GNR encontraram ainda 8.592 idosos que vivem acompanhados, mas encontram-se «em situação de vulnerabilidade fruto de limitações físicas ou psicológicas». A corporação sublinha que as situações de «maior vulnerabilidade foram reportadas às entidades competentes, sobretudo de apoio social, no sentido de fazer o seu acompanhamento futuro». A maioria dos idosos que vivem sozinhos ou isolados são mulheres, designadamente 30.172, enquanto 15.344 homens vivem nesta situação.
No âmbito da operação “Censos Sénior 2017”, que se realizou em todo o país entre 1 e 31 de Março, a GNR registou mais 2.194 idosos a viver sozinhos ou isolados do que em 2016, quando viviam nestas condições 43.322.
Realizada anualmente pela GNR desde 2011, a operação “Censos Sénior” tem como objectivo identificar a população idosa que vive sozinha e isolada, actualizar os registos das edições anteriores e identificar novas situações.
Desde 2011 que a GNR tem sinalizado cada vez mais idosos a viver nestas condições.
Em sete anos, o número de idosos sinalizados quase que triplicou, passando dos 15.596, em 2011, para os 45.516, em 2017. Segundo a GNR, estes dados «não reflectem um aumento do número de idosos a viverem nestas situações, mas sim o facto dos censos sénior se constituírem como uma base de dados geográfica cada vez mais completa, potenciando assim um melhor apoio da GNR à população idosa».
A corporação refere igualmente que vai continuar, ao longo do ano, a acompanhar os idosos sinalizados, através de visitas regulares às suas residências, além de realizar mais acções de sensibilização e fazer uma avaliação da sua segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close