Governo avança com obras nas linhas da Beira Alta e Baixa

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, anunciou na semana passada que o Governo vai avançar com a intervenção do Corredor Ferroviário Internacional Norte, que abrange as linhas da Beira Alta e Baixa, num investimento de 691 milhões de euros. «São quase 700 milhões de euros no total do Corredor Internacional Norte. É um grande investimento, é uma grande prioridade, com um forte financiamento dos fundos comunitários, felizmente, porque a ferrovia é uma prioridade para Portugal, mas também para a Europa», disse.
Pedro Marques falava na Covilhã, distrito de Castelo Branco, onde presidiu à cerimónia de apresentação do Plano de Mobilidade para o Interior, que abrange medidas no âmbito ferroviário e rodoviário. O governante especificou que este plano se enquadra «numa aposta clara na ferrovia» e que visa «favorecer o desenvolvimento integrado do Interior», com base na «competitividade do transporte ferroviário de mercadorias e de pessoas».
O plano prevê a modernização da Linha da Beira Alta e a conclusão da electrificação da Linha da Beira Baixa entre a Covilhã e a Guarda, troço que está desactivado desde 2009. Uma realidade que se alterará até 2018, garantiu o ministro, explicando que a primeira intervenção decorrerá na Linha da Beira Baixa, com os concursos a serem lançados ainda este ano para que as obras comecem em 2017 e fiquem concluídas em 2018. «Depois disso, começaremos a avançar com todas as obras na Linha da Beira Alta», especificou.
No final, conseguir-se-á a «plena articulação entre as duas linhas», o que permitirá estabelecer «um importante itinerário complementar na rede ferroviária», apontou o secretário de Estado, Guilherme W. d’Oliveira Martins, durante a apresentação do plano.
No documento mantém-se ainda inscrita a criação de uma nova linha no eixo Aveiro/Mangualde, projecto pelo qual Portugal continuará a lutar no sentido de obter financiamento, garantiu o ministro. «É uma linha muito onerosa, que envolve quase 700 milhões de euros e que só pode ser realizada com financiamento europeu, mas nós continuamos a insistir», garantiu, explicando que o projecto será apresentado às candidaturas de Setembro e Outubro.
Durante a cerimónia, o presidente da Câmara da Covilhã, Vítor Pereira, também salientou a importância da aposta no Corredor Ferroviário Internacional Norte, com especial incidência para o que concerne à electrificação do troço entre a Covilhã e a Guarda. «Sempre foi considerada por todos prioritária, mas a verdade é que andou aos solavancos sete longos anos entre os corredores e as secretarias. Por isso, senhor ministro, quero saudá-lo por ter vindo dar-nos a boa nova da antecipação em dois anos deste tão importante troço», disse. Lembrando que a obra «é fundamental para a mobilidade das populações no eixo Castelo Branco/Covilhã/Guarda, o autarca não deixou de reivindicar a «requalificação do material circulante».

Câmara da Guarda aplaude antecipação das obras na Linha da Beira Baixa
O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, aplaudiu a decisão do Governo em antecipar as obras de modernização e de electrificação da Linha da Beira Baixa entre a Covilhã e a Guarda. «Esta antecipação e a execução dos projectos… só temos que aplaudir», disse o autarca PSD/CDS-PP à agência Lusa.
Em declarações à Lusa, o autarca da Guarda, Álvaro Amaro, aplaudiu a decisão e disse que o Governo, «que já reverteu tantas coisas, pelo menos esta não reverteu e isso é motivo de aplauso». «O seu a seu dono. Não reverteu e fez muito bem», disse, lembrando que a decisão da beneficiação do troço da Linha da Beira Baixa entre as cidades de Guarda e Covilhã «estava tomada e foi tomada há mais de um ano» pelo anterior Governo.
Recordou que a realização de algumas obras de reabilitação daquele troço ferroviário foi anunciada «há mais de um ano, na Guarda, pelo próprio presidente da Infraestruturas de Portugal» e «já houve concursos anunciados para esse troço há mais de um ano».
Observou ainda que, para a Guarda, a realização de obras na Linha da Beira Alta também é «particularmente importante», pois as mesmas «entroncarão com a Linha da Beira Baixa». «A Guarda tem que ser a grande plataforma ferroviária para a Europa, depois das obras nas duas linhas [Beira Alta e Beira Baixa]. Esse é o grande projecto das próximas décadas para a cidade da Guarda», reafirmou Álvaro Amaro.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close