Governo empenhado em solução para a empresa Dura da Guarda

O Governo anunciou que «continua empenhado em facilitar a concretização de uma solução» para a empresa Dura da Guarda e que «os diversos cenários para o futuro» da unidade serão analisados numa reunião com a administração.
O gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros refere, em comunicado enviado à agência Lusa, que na sequência de notícias que têm vindo a público sobre a unidade da Guarda da Dura Automotive e de contactos com a Comissão de Trabalhadores da empresa, o Ministério dos Negócios Estrangeiros, através do secretário de Estado da Internacionalização e da representação diplomática de Portugal em Washington, nos Estados Unidos da América, «realizou uma diligência junto da presidente do Conselho de Administração da Dura Automotive». «Do contacto resultou a disponibilidade em analisar, em reunião a ter lugar nos próximos dias, os diversos cenários para o futuro da referida unidade», adianta a nota.
No comunicado é ainda referido que «o Governo português continua empenhado em facilitar a concretização de uma solução que salvaguarde os interesses de todos os intervenientes neste processo».
A Dura Automotive – Indústria de Componentes para Automóveis, Lda., instalada na freguesia de Vila Cortez do Mondego, no concelho da Guarda, tem mais de uma centena e meia de trabalhadores.
No dia 26 de Agosto, no final da reunião do executivo municipal da Guarda, o presidente da câmara, Carlos Chaves Monteiro, disse aos jornalistas que a autarquia estava a acompanhar a situação na fábrica que, a partir de Outubro, corre o risco de perder 60% da sua produção.
Segundo Carlos Chaves Monteiro, um cliente que representa 60% da produção da unidade fabril que produz componentes para a indústria automóvel «vai ser deslocalizado para a Índia» e a autarquia, em conjugação com o Ministério da Economia e o próprio diretor da unidade, Fernando Grilo, têm estado «em contacto estrito e permanente» no sentido de verificar os mecanismos que podem ser usados para «tentar ajudar à resolução do assunto».
O Governo também já tinha anunciado que estava a acompanhar a condição da fábrica da Guarda e que realizou «diligências junto do maior accionista da empresa para alertar para a situação». Na resposta a uma pergunta feita pelo Bloco de Esquerda através da Assembleia da República, relativamente à possível deslocalização para a Índia da unidade fabril, o gabinete do ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, referiu que «a situação da empresa está a ser acompanhada por outras áreas governativas».

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close