Guarda recebe concurso inédito na área da interpretação contemporânea

A Guarda recebe em Março aquele que é o primeiro Concurso Naci-onal de Interpretação Contem-porânea. A iniciativa é destinada a alunos que se encontrem a frequentar o 3º Ciclo e Secundário das escolas de ensino especializado de música ou escolas pro-fissionais de todo o país, e está integrada no Síntese. A organização é do Grupo de Música Contemporânea da Guarda.

Gabriela Marujo
gabmarujo.terrasdabeira@gmpress.pt

a primeira vez que se realiza em Portugal e vai acontecer no Teatro Municipal da Guarda a 5 de Março. O Concurso Nacional de Interpretação Contemporânea é «o primeiro do género, aberto a todos os instrumentos, e onde se destaca a presença de várias estéticas musicais, de vanguarda e de ruptura com a tradição», e tem organização a cargo do Síntese – Grupo de Música Contemporânea da Guarda. A iniciativa, que tem ainda por objectivo ser «um estímulo à utilização de reportório contemporâneo em todos os instrumentos, nas escolas de ensino artístico de todo o país», está integrada no Síntese – XI Ciclo de Música Contemporânea da Guarda, a ter lugar entre os dias 2 e 25 de Março na sala de espectáculos da cidade.
«Estamos agora precisamente com a preparação do concurso em mãos, com a divulgação, e esperamos ter uma boa adesão», deseja a presidente do grupo organizador, Helena Neves, admitindo que «pesam sempre vários factores para o sucesso» deste concurso.
«Um deles é o facto de ser a primeira vez que é realizado e também de ser na Guarda, ou pelo menos não ser num sítio central, como Lisboa, Porto ou Coimbra, e isso implica que as pessoas se desloquem a um sítio menos convencional, digamos». Ou seja, fora das cidades que albergam esse tipo de iniciativas.
Para além de ser a primeira vez que é realizado, é dirigido a todas as escolas profissionais e de ensino especializado de música, «logo, são cento e tal escolas em todo o país que poderão fornecer candidatos, agora, nem todas certamente terão alunos que têm condições para participar».
Esta falta de condições, explica Helena Neves, deve-se ao facto de ainda haver, «em todo o país, uma velha escola, uma tradição muito marcada pela música do século 19 nos nossos programas, no ensino artístico, e portanto do século 20 é difícil haver [intérpretes]». «É precisamente por aí que a gente quer fazer a diferença. Queremos estimular para este tipo de reportório, estimulando os professores a dar este tipo de reportório aos seus alunos do ensino artístico, o que faz também com que eles próprios criem gosto pela interpretação da música», adianta a dirigente.
«E desta forma também, à nossa maneira, valorizar esse trabalho que é feito, fazendo este concurso e trazendo novos intérpretes que certamente se vão revelar grandes intérpretes no futuro», destaca.
O concurso é uma das actividades que constam da programação do Síntese – XI Ciclo de Música Contemporânea da Guarda, para o qual receberem um apoio pontual da Direcção-Geral das Artes no valor de 20 mil euros. «O que muito nos honra mas que também nos coloca obviamente uma grande responsabilidade em cima porque, tratando-se de um serviço público, devemos tentar dar mais uma vez o nosso melhor e ir de encontro aos públicos, todos os públicos», considera Helena Neves.
«Quando se fala em música contemporânea, algumas pessoas já não a olham como um bicho de sete cabeças, mas penso que nesse aspecto o Síntese tem contribuído ao longo dos anos para desmistificar um pouco essa ideia», afirma.
O grupo está neste momento a tratar da divulgação do Concurso Nacional de Interpretação Contemporânea, a grande novidade do XI Ciclo de Música Contemporâ-nea da Guarda, mas «muita coisa já está a ser preparada há vários meses». «Nós vamos ter várias estreias realizadas pelo grupo Síntese, e estas estreias são contratualizadas com os compo-sitores bastante tempo antes para lhes dar a possibilidades de eles inscreverem a nova música, com tempo, e depois nos puderem fornecer as partituras e podermos fazer o nosso trabalho de interpre-tação e de preparação do espectáculo», esclarece Helena Neves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close