Guardenses entre os que menos apoio pedem à APAV

A Guarda é de entre os distritos portugueses um dos que registou o menor número de pessoas atendidas e apoiadas pela Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) em 2015. O último Relatório Anual, divulgado há cerca de uma semana, aponta 40 casos em que o distrito de residência da vítima era a Guarda, correspondendo a 0,4 por cento. O distrito com menos pessoas atendidas e apoiadas foi Beja (23 – 0,2 por cento), seguido de Portalegre (24 – 0,3 por cento), Região Autónoma da Madeira (33 – 0,3 por cento) e Castelo Branco (35 – 0,6 por cento).
Lisboa (1.960 – 20, 4 por cento), Porto (1.167 – 12,1 por cento) e Faro (899 – 9,5 por cento) foram os distritos mais referidos pelas vítimas. No entanto, 2.269 das 9.612 pessoas atendidas e apoiadas pela APAV não sabiam ou não responderam sobre a sua proveniência.
Os dados estatísticos da APAV, apresentados no Relatório Anual 2015, reportam-se aos processos de apoio desenvolvidos presencialmente, por telefone e online, no ano transato, pela rede nacional de Gabinetes de Apoio à Vítima, pela Linha de Apoio à Vítima, pela rede nacional de Casas Abrigo e pelas redes especializadas de apoio a vítimas migrantes, familiares e amigos de vítimas de homicídio e crianças e jovens vítimas de violência sexual, esclarece a associação em nota de imprensa.
Em termos concretos, a APAV registou no ano passado 12.837 processos de apoio com atendimentos nesse ano. Num total de 9.612 vítimas directas, assinalaram-se 23.326 crimes e/ou outras formas de violência. O trabalho realizado com os utentes da APAV resultou de um total de 34.372 atendimentos.
Através de uma análise comparativa dos últimos 3 anos é possível notar «um aumento gradual, quer do número de processos com atendimentos, quer do número de vítimas e ainda do número de crimes e ou outras formas de violência assinaladas». «De 2013 para 2015, registou-se um aumento superior a 8 por cento no número de processos, crimes e outras formas de violência e vítimas», afirma a APAV.
«Mais especificamente quanto aos crimes assinalados e às outras formas de violência, os crimes Contra as Pessoas representam mais de 95 por cento do total de registos», concretiza, realçando que «alguns crimes em particular, designadamente os maus-tratos físicos e os maus-tratos psíquicos, no âmbito dos crimes de Violência Doméstica, totalizam por si só mais de 50 por cento dos registos criminais».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close