Habitantes de Almeida exigem manutenção do balcão da CGD na vila

Várias centenas de habitantes e autarcas de Almeida manifestaram-se na passada semana contra a decisão do fecho da agência local da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e exigiram a sua manutenção naquela vila do distrito da Guarda. Para ontem estava agendada nova manifestação, caso a admi-nistração da CGD não mude de ideias em relação ao fecho do balcão.
Com o protesto, realizado no Largo 25 de Abril, no exterior das muralhas da vila, os participantes pretenderam alertar a administração da CGD para a manutenção da agência local que deverá encerrar no dia 27.
O presidente da Câmara Municipal de Almeida, António Baptista Ribeiro, disse que o concelho não pode ser «discriminado» pela CGD, por ser a única sede de um município a perder um balcão, e deixou claro que a luta irá continuar. «Vamos até Lisboa, se for preciso. Com certeza, vamos até Lisboa. Vamos onde for necessário. A luta continua. Com certeza que a luta continuará», afirmou o autarca no seu discurso.
O vice-presidente da autarquia, Alberto Morgado, afirmou que a agência da CGD deve continuar de portas abertas, porque no concelho existem duas – em Almeida e Vilar Formoso – mas considera que a de Vilar Formoso é de âmbito nacional. «A agência de Vilar Formoso deve ser considerada uma agência de âmbito nacional. Ela é importante não só para o concelho de Almeida como para o país», justificou.
Em relação ao banco na sede de concelho, disse que os habitantes não devem ficar privados «dos serviços públicos da CGD». Assim, reconhece que «é impensável o encerramento» da agência, porque «tem as suas repartições públicas as-sociadas».
Os habitantes de Almeida participaram no protesto com alguns cartazes com mensagens como: “Caixa em Almeida Sim! Mais um deserto no interior, não”; “Almeida é a única sede de concelho sem agência da CGD”; “Encerrar CGD em Almeida é crime nacional”.
A habitante Cândida Silva, de 80 anos, disse à agência Lusa que «a luta continua» e que a CGD «não pode fechar». «Almeida é histórica, Almeida é pequenina», disse, mas garantiu que os habitantes, se for necessário, dormirão junto das instalações da agência para evitar que encerre.
Outro habitante, Leonel Ferreira, de 73 anos, referiu que o fecho do balcão do banco público é «o princípio do fim da vila», pois, se fechar, terá de se deslocar a Vilar Formoso, o que considera «incómodo». «Merecemos a CGD em Almeida. Faz falta a toda a gente. Quando eu nasci já cá estava», declarou Josefina Albano, de 82 anos.
Ao lado dos habitantes e dos autarcas estiveram os deputados Paulo Sá (PCP) e Moisés Ferreira (BE). Paulo Sá disse aos habitantes que a luta «é justa» e que podem contar com o PCP para tentar reverter a decisão do fecho da agência da CGD. Moisés Ferreira também assumiu que ainda é possível retroceder a decisão e «manter a agência da CGD aberta», prometendo que o BE tudo fará nesse sentido. A concentração terminou após os participantes se deslocarem ao interior das muralhas da vila, onde está situada a agência da CGD.

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close