Habitantes de Seia pedem mais profissionais para hospital e centro de saúde

Cerca de uma centena de habitantes, políticos e autarcas participaram hoje numa acção de protesto para exigir o aumento do número de profissionais no hospital e no centro de saúde de Seia. O apelo foi feito durante uma manifestação que ligou o centro de saúde e o hospital Nossa Senhora da Assunção, promovida pelo movimento de defesa dos serviços de saúde no concelho de Seia. Durante a iniciativa, os participantes exigiram mais investimento do Governo e a contratação de mais profissionais para os serviços públicos de saúde daquele concelho da região da Serra da Estrela.
O porta-voz do movimento, Zulmiro Almeida, apelou à ministra da Saúde, Marta Temido, para que tenha «mais respeito pelo interior». «Poupe-se onde se puder, não poupem na Saúde”, defendeu o porta-voz, alertando que no centro de saúde de Seia estão «cinco médicos à beira da reforma” e os outros oito que ali prestam serviço, «logo que possam vão para as suas localidades», pois apenas um é natural da região. Segundo Zulmiro Almeida, a situação vivida nas unidades de saúde de Seia é «grave»: «Nós estamos com a nossa Saúde muito doente».
O porta-voz do movimento apelou ainda ao ministro das Finanças, Mário Centeno, para que “olhe para a Saúde como deve olhar, e não como tem olhado”.
A juntar à falta de médicos, o movimento de defesa dos serviços de saúde de Seia denunciou que o aparelho de raios x do hospital local está avariado e os utentes têm de se deslocar para Gouveia ou para Oliveira do Hospital.
Durante a acção de protesto, a eurodeputada do PCP Sandra Pereira disse que no país “há uma estratégia de ataque ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) e um desinvestimento” em meios técnicos humanos e de infraestruturas “que é preciso colmatar”.
O presidente da Câmara Municipal de Seia, Carlos Filipe Camelo (PS), lembrou que foi criada uma comissão na Assembleia Municipal que tem feito contactos com a direcção do centro de saúde, a Unidade Local de Saúde da Guarda e a Administração Regional de Saúde do Centro, para procurar resolver os problemas existentes no concelho. Na manifestação também participaram os vereadores na Câmara Municipal de Seia Fabíola Figueiredo (PSD) e Tenreiro Patrocínio (Movimento Juntos Pela Nossa Terra).
Durante o protesto, que incluiu uma marcha, com cerca de um quilómetro, que ligou o centro de saúde e o hospital, os participantes gritaram palavras de ordem como “A saúde é um direito, sem ela nada feito”, “O público é de todos, o privado é só de alguns” e “Lutar, lutar, para a Saúde salvar”. Foram também exibidos cartazes com mensagens como: “Na defesa de mais investimento, mais serviços médicos, mais profissionais de saúde” e “Não à destruição do SNS”.
A habitante Orquídea Lopes, de 64 anos, disse à agência Lusa que participou na acção de protesto porque «Seia está esquecida» em relação ao sector da Saúde. «A saúde na Serra da Estrela não é a mesma coisa que a saúde na zona de Lisboa, porque a estrutura geográfica não permite a facilidade de acesso como nos grandes centros», alertou.
Já o morador Jorge Figueiredo, de 63 anos, referiu que no hospital local «os médicos são poucos» e os utentes estão «quatro ou cinco horas à espera de consulta».

Comentar

. logged in para comentar.

Artigos relacionados

SiteLock

Voltar para o topo

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close