Hospital da Guarda define área distinta só para doentes suspeitos ou confirmados de infecção por coronavírus

A Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda informou esta noite que vai proceder a algumas mudanças reestruturando espaços e funcionamento dos serviços no Hospital Sousa Martins para «proteção aos profissionais e utentes, sobretudo os grupos mais vulneráveis» no actual contexto de pandemia por COVID-19. Numa nota enviada à imprensa, a ULS da Guarda explica que ficam definidas duas áreas distintas. No denominado Pavilhão Novo, toda a sua área de internamento e Bloco Operatório – Piso 1, ficarão afectos a doentes suspeitos ou confirmados de infecção por coronavírus. Manter-se-ão as restantes unidades e serviços que funcionam nos restantes pisos. Nos denominados Pavilhões 1 e 5 serão internados todos os outros doentes com necessidade, das diversas especialidades. Para acomodar esta situação, a ULS da Guarda explica que: o Serviço de Ortopedia passa a ocupar as instalações do serviço de Cardiologia; o Serviço de Cardiologia passa a partilhar o piso de Medicina Interna e o Serviço de Cirurgia passa a ocupar as instalações do Serviço de Ginecologia; o Serviço de Ginecologia passa a partilhar um espaço no Serviço de Obstetricia; o Serviço de Pneumologia passará a ocupar as instalações onde actualmente se encontra o internamento de Psiquiatria; a Urgência Pediátrica passa a ocupar as instalações onde se encontra actualmente a Consulta Externa de Psiquiatra e a Consulta Externa de Psiquiatria passa a funcionar na zona das Consultas Externas do Pavilhão Novo. As cirurgias de doentes não infectados por coronavírus serão realizadas no Bloco Operatório do Pavilhão 5.
A ULS da Guarda explica que estas mudanças iniciaram-se hoje e decorrerão de forma faseada até ao final da semana, sendo que a partir das 13 horas de amanhã a Urgência Pediátrica funcionará já no novo espaço pelo que o seu acesso preferencial será pela portaria da antiga Consulta Externa.
Na mesma nota de imprensa, a ULS da Guarda «lamenta já quaisquer constrangimentos ou incómodos que estas medidas possam causar a utentes e profissionais mas é definitivamente a melhor opção para minimizar o risco».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close