ICOMOS Portugal considera que vandalizar figuras do Parque Arqueológico do Côa foi como destruir a Gioconda

O ICOMOS Portugal manifestou «profunda preo-cupação com a situação» vivida pelo Parque Arqueológico do Côa, «desde há alguns anos», associando-a à vandalização de uma das gravuras, facto que compara à destruição da Gioconda, de Leonardo da Vinci.
A Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS Portugal) afirma, em comunicado, que desde que foi criada, em 2011, a Côa Parque – Fundação para a Salvaguarda e Valorização do Vale do Côa, «o Museu e sobretudo o Parque Ar-queológico sofrem de uma gestão ineficaz e de uma crónica falta de recursos humanos e financeiros».
Esta situação, segundo o ICOMOS Portugal, «acabou por resultar no acto de vandalismo que é do conhecimento público» que, «pela sua gravidade, poderá ser comparado ao rasgar da Gioconda», pois, «tal como essa excepcional obra da Renas-cença, as gravuras paleolíticas com mais de 15 mil anos, agora atingidas, representam um património artístico e simbólico incomparável, tendo por isso merecido, em 1998, a sua inclusão na Lista do Património da Humanidade».
A Fundação Coa Parque deu a conhecer, no final de Abril, um «inqualificável» atentado contra uma das rochas do parque arqueológico, na qual está representada uma figura humana com cerca de 15 mil anos. «Fomos surpreendidos com a descoberta de novíssimas gravações de uma bicicleta, de um humano esquemático e da palavra “BIK”, diretamente sobre o conhecidíssimo conjunto” em que se encontra «o famoso “Homem de Piscos”, a mais notável das representações antropomór-ficas paleolíticas identificadas no Vale do Coa», disse à Lusa, na altura, o director do parque arqueológico, António Baptista.
O ICOMOS Portugal afirma que, antes deste incidente, já manifestara o seu «desacordo pela manutenção da Fundação como entidade gestora» do parque e do respetivo museu, considerando que, «dada a natureza do Bem» em causa, que é património mundial, este deveria «ser mantido sob a tutela directa do Ministério da Cultura».
Na Quinta-feira da semana passada, o grupo parlamentar do PCP requereu a audição do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, na comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, para dar explicações sobre os actos de vandalismo nas gravuras do Côa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close