IHRU vai sortear 44 casas em arrendamento acessível localizadas na Guarda e em mais nove concelhos

EGIDRONES

EGIDRONES

Quarenta e quatro habitações, localizadas nos concelhos de Águeda, Figueira da Foz, Guarda, Mação, Matosinhos, Santo Tirso, Baião, Lisboa, Cascais e Montijo, vão ser sorteadas para arrendamento acessível, anunciou hoje o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU).

«Estarão abertos, a partir de dia 12 de Outubro, concursos por sorteio para atribuição de 44 habitações do IHRU, no âmbito do Programa de Arrendamento Acessível», informou o instituto, numa nota à comunicação social.

As casas a concurso são de tipologias T1, T2, T3, T4 e T5 e localizam-se em 10 concelhos de Portugal continental, designadamente Guarda, Águeda, Figueira da Foz, Mação, Matosinhos, Santo Tirso, Baião, Lisboa, Cascais e Montijo, indicou o IHRU, sem avançar qual a distribuição das habitações por cada território.

«Os contratos de arrendamento destinam-se à habitação permanente dos agregados habitacionais», lê-se na mesma nota, acrescentando o IHRU que são admitidos a concurso por sorteio os concorrentes que estejam registados na Plataforma do Arrendamento Acessível, preencham as condições de elegibilidade do programa e os requisitos do aviso de cada concurso.

Em comunicado, o Ministério das Infraestruturas e da Habitação disse que «as candidaturas manter-se-ão abertas por períodos que variam entre os 30 e os 40 dias». Neste âmbito, os interessados poderão encontrar toda a informação sobre cada um dos concursos em www.portaldahabitacao.pt, portal do IHRU no qual também se realizam as inscrições e os sorteios, “de forma desmaterializada”.

De acordo com o IHRU, esta iniciativa faz parte do conjunto das soluções habitacionais disponibilizadas pelo instituto para «garantir o acesso à habitação às famílias que não têm resposta por via do mercado, nomeadamente as populações com rendimentos intermédios».

O preço máximo de renda acessível pode variar entre 200 euros para tipologia T0 e 1.700 euros para T5, dependendo da posição dos 308 concelhos do país, que estão agrupados por seis escalões, em que apenas Lisboa está nos valores mais elevados, posicionando-se mais de metade dos municípios – 165 – no escalão com preços mais baixos.

Sobre o registo de candidaturas, o Governo definiu o valor máximo de rendimento anual para efeitos de elegibilidade dos agregados habitacionais, indicando que um agregado com uma pessoa não pode ultrapassar o rendimento anual bruto de 35.000 euros, com duas pessoas o valor máximo de rendimentos é de 45.000 euros e para mais de duas pessoas é de 45.000 euros mais 5.000 euros por pessoa, e a ocupação mínima por tipologia, estabelecendo que tem de ser “uma pessoa por quarto, independentemente da modalidade de disponibilização desse mesmo alojamento”.

Gerido pelo IHRU, o Programa de Arrendamento Acessível estabelece que os contratos de arrendamento têm «prazo mínimo de cinco anos, renovável por período estipulado entre as partes».

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O website do Terras da Beira utiliza cookies para melhorar e personalizar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar está a consentir a utilização de cookies Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close